optica 1 - GREF - v e r s ª o p r e l i m i n a r 2. Uma...

Info iconThis preview shows pages 1–5. Sign up to view the full content.

View Full Document Right Arrow Icon

Info iconThis preview has intentionally blurred sections. Sign up to view the full version.

View Full DocumentRight Arrow Icon

Info iconThis preview has intentionally blurred sections. Sign up to view the full version.

View Full DocumentRight Arrow Icon
This is the end of the preview. Sign up to access the rest of the document.

Unformatted text preview: v e r s ª o p r e l i m i n a r 2. Uma visªo do curso 3. Recepçªo e registro de imagens 4. A câmara escura 5. Foto-grafar leituras de física GREF para ver, fazer e pensar óptica 1 a 9 6. Acertando câmara e filme 7. A vídeo gravaçªo ou câmara de TV 8. De olho no olho 9. Duas ópticas 1. A visªo Leituras de Física Ø uma publicaçªo do GREF - Grupo de Reelaboraçªo do Ensino de Física Instituto de Física da USP EQUIPE DE ELABORA˙ˆO DAS LEITURAS DE F˝SICA Anna Cecília Copelli Carlos Toscano Dorival Rodrigues Teixeira Isilda Sampaio Silva Jairo Alves Pereira Joªo Martins Luís Carlos de Menezes (coordenador) Luís Paulo de Carvalho Piassi Suely Baldin Pelaes Wilton da Silva Dias Yassuko Hosoume (coordenadora) ILUSTRA˙ÕES: Fernando Chuí de Menezes MAErio Kano GREF - Instituto de Física da USP rua do Matªo, travessa R, 187 Edifício Principal, Ala 2, sala 305 05508-900 Sªo Paulo - SP fone: (011) 818-7011 fax:(011) 818-7057 financiamento e apoio: ConvOEnio USP/MEC-FNDE Sub-programa de educaçªo para as CiOEncias (CAPES-MEC) FAPESP / MEC - Programa Pró-CiOEncia Secretaria da Educaçªo do Estado de Sªo Paulo - CENP A reproduçªo deste material Ø permitida, desde que observadas as seguintes condiçıes: 1. Esta pAEgina deve estar presente em todas as cópias impressas ou eletrônicas. 2. Nenhuma alteraçªo, exclusªo ou acrØscimo de qualquer espØcie podem ser efetuados no material. 3. As cópias impressas ou eletrônicas nªo podem ser utilizadas com fins comerciais de qualquer espØcie. junho de 1998 1 1 A visªo O que vemos e o que nªo vemos pode ser registrado e ampliado por instru- mentos ópticos. Os olhos e a memória sªo nossos instrumentos naturais. 2 1 A visªo A primeira grande revoluçªo no registro visual de fatos ocorreu com a descoberta da fotografia, porque tornava possível, a qualquer pessoa, fixar as imagens que desejasse. O cinema, por sua vez, popularizou as artes cOEnicas, sendo quase "atropelado" pela televisªo, que leva as imagens dinâmicas para a casa do espectador. Finalmente, a video- gravaçªo permite gravar cenas com a mesma facilidade com que, antigamente, só se podia fotografar. Na realidade, Ø mais fAEcil entender como funciona uma mAEquina fotogrAEfica, um projetor de cinema, uma tela de TV, do que saber como vemos e registramos imagens em nosso cØrebro. Talvez o problema Ø que, entre todos estes aparelhos de "ver e registrar", o olho e o cØrebro humano sªo os oenicos que nªo fomos nós quem inventamos... Nesse curso de óptica, vamos poder compreender como tudo isso ocorre.- Que coisa linda !!!- Fotografou ?- Nªo...- Entªo perdeu...- Perdi nada. EstAE gravado na memória! É uma pena nªo poder mostrar para os outros certas cenas que nossa memória registra. A gente pode contar, mas nªo Ø a mesma coisa. Desde tempos remotos, o ser humano sempre desejou deixar gravadas cenas de coisas que lhe sªo importantes. Figuras de animais de caça, por exemplo, foram encontradas em interiores de cavernas, redutos do...
View Full Document

Page1 / 38

optica 1 - GREF - v e r s ª o p r e l i m i n a r 2. Uma...

This preview shows document pages 1 - 5. Sign up to view the full document.

View Full Document Right Arrow Icon
Ask a homework question - tutors are online