A Mensageira das Violetas - Florbela Espanca.pdf - A...

This preview shows page 1 - 3 out of 22 pages.

A Mensageira das Violetas, de Florbela Espanca Fonte: ESPANCA, Florbela. A mensageira das violetas : antologia. Seleção e edição de Sergio Faraco. Porto Alegre: L&PM, 1999. (Pocket). Texto proveniente de: A Biblioteca Virtual do Estudante Brasileiro <; A Escola do Futuro da Universidade de São Paulo Permitido o uso apenas para fins educacionais. Texto-base digitalizado por: Luciana Peixoto Silva – Divinópolis/MG Este material pode ser redistribuído livremente, desde que não seja alterado, e que as informações acima sejam mantidas. Para maiores informações, escreva para <[email protected]>. Estamos em busca de patrocinadores e voluntários para nos ajudar a manter este projeto. Se você quer ajudar de alguma forma, mande um e-mail para <[email protected]> ou <[email protected]> A MENSAGEIRA DAS VIOLETAS Florbela Espanca CRISÂNTEMOS Sombrios mensageiros das violetas, De longas e revoltas cabeleiras; Brancos, sois o casto olhar das virgens Pálidas que ao luar, sonham nas eiras. Vermelhos, gargalhadas triunfantes, Lábios quentes de sonhos e desejos, Carícias sensuais d´amor e gozo; Crisântemos de sangue, vós sois beijos! Os amarelos riem amarguras, Os roxos dizem prantos e torturas, Há-os também cor de fogo, sensuais... Eu amo os crisântemos misteriosos Por serem lindos, tristes e mimosos, Por ser a flor de que tu gostas mais! NO HOSPITAL À Théa Na vasta enfermaria ela repousa Tão branca como a orla do lençol Gorjeia a sua voz ternos perfumes Como no bosque à noite o rouxinol. É delicada e triste. O seu corpito Tem o perfume casto da verbena. Não são mais brancas as magnólias brancas Que a sua boca tão branca e pequena. Ouço dizer: - Seu rosto faz sonhar! Serão pétalas de rosa ou de luar? Talvez a neve que chorou o inverno... Mas vendo-a assim tão branca, penso eu: É um astro cansado, que do céu
Image of page 1
Veio repousar nas trevas dum inferno! VULCÕES Tudo é frio e gelado. O gume dum punhal Não tem a lividez sinistra da montanha Quando a noite a inunda dum manto sem igual De neve branca e fria onde o luar se banha. No entanto que fogo, que lavas, a montanha Oculta no seu seio de lividez fatal! Tudo é quente lá dentro...e que paixão tamanha A fria neve envolve em seu vestido ideal! No gelo da indiferença ocultam-se as paixões Como no gelo frio do cume da montanha Se oculta a lava quente do seio dos vulcões... Assim quando eu te falo alegre, friamente, Sem um tremor de voz, mal sabes tu que estranha Paixão palpita e ruge em mim doida e fremente! O MEU ALENTEJO Meio-dia. O sol a prumo cai ardente, Dourando tudo...ondeiam nos trigais D´ouro fulvo, de leve...docemente... As papoulas sangrentas, sensuais... Andam asas no ar; e raparigas, Flores desabrochadas em canteiros, Mostram por entre o ouro das espigas Os perfis delicados e trigueiros...
Image of page 2
Image of page 3

You've reached the end of your free preview.

Want to read all 22 pages?

  • Fall '19
  • São Paulo, Tristeza, Castelo, fogo, Oração

  • Left Quote Icon

    Student Picture

  • Left Quote Icon

    Student Picture

  • Left Quote Icon

    Student Picture