Aula 06 - CLP II - 4 Paradigma do CLP 4.1 CLP x Painel de...

Info iconThis preview shows pages 1–5. Sign up to view the full content.

View Full Document Right Arrow Icon
Engenharia de Controle Prof. Jose Luiz F. Barbosa 1 4 – Paradigma do CLP 4.1 – CLP x Painel de Relés Controladores Programáveis ou painéis de relés? Esta foi provavelmente uma pergunta muito comum entre os engenheiros de sistemas, controle, projetistas, etc. Não se pode generalizar, mas é certo que alta qualidade e produtividade não podem ser obtidas, de maneira econômica, sem equipamento de controle eletrônico. Entretanto, com o rápido desenvolvimento e crescimento da competição, o cus- to do controlador programável tem caído significativamente a ponto de que o estudo de CLP versus relés, no ponto de vista de custo não ser mais válido. Requisitos tais como indicados abaixo seguramente levam à opção pelo CLP ao invés de relés: ± Necessidade de flexibilidade de mudanças na lógica de controle; ± Necessidade de alta confiabilidade; ± Espaço físico disponível pequeno; ± Expansão de entradas e saídas; ± Modificação rápida; ± Lógicas similares em várias máquinas; ± Comunicação com computadores em níveis superiores. A figura ilustra uma comparação entre o quadro de relés e o quadro de CLP’s.
Background image of page 1

Info iconThis preview has intentionally blurred sections. Sign up to view the full version.

View Full DocumentRight Arrow Icon
Engenharia de Controle Prof. Jose Luiz F. Barbosa 2 Pode ser observado que a implementação da lógica através de relés dificulta a manutenção e torna o sistema menos flexível à mudanças. A lógica é realizada por fios e qualquer modificação na lógica exige uma conexão adequada dos fios, envol- vendo operações com os contatos NA e NF dos relés. 4.2 – CLP x Computador Industrial A arquitetura de um controlador programável é basicamente a mesma que um computador de propósito geral. Entretanto existem algumas características importantes que diferem o CLP dos computadores. Podemos dizer que todos os CLP´s são computadores por definição, mas nem todos os computadores são CLP´s. A diferença está nos métodos de programação, operação, considerações ambi- entais e manutenção. A figura ilustra uma comparação entre computadores industriais e CLP onde podem ser vistos os pontos fortes e os pontos fracos dos computadores industriais.
Background image of page 2
Engenharia de Controle Prof. Jose Luiz F. Barbosa 3 CLP´s foram especificamente projetados para operar em ambientes industriais. Um CLP pode operar em áreas com quantidades substanciais de ruídos elétri- cos, interferências eletromagnéticas, vibrações mecânicas, temperaturas elevadas e condições de umidade adversas. Uma especificação típica de CLP inclui temperaturas na faixa de 0 a 60ºC e u- midade relativa de 5 a 95 %. A segunda distinção dos CLP´s é que o hardware e o software foram projetados para serem operados por técnicos não especializados (nível exigido para a manutenção e ope- ração de computadores).
Background image of page 3

Info iconThis preview has intentionally blurred sections. Sign up to view the full version.

View Full DocumentRight Arrow Icon
Engenharia de Controle Prof. Jose Luiz F. Barbosa 4 Usualmente, a manutenção é feita pela simples troca de módulos e existem softwares que auxiliam na localização de defeitos. As interfaces de hardware para conexão dos dispositivos de campo estão pron-
Background image of page 4
Image of page 5
This is the end of the preview. Sign up to access the rest of the document.

Page1 / 16

Aula 06 - CLP II - 4 Paradigma do CLP 4.1 CLP x Painel de...

This preview shows document pages 1 - 5. Sign up to view the full document.

View Full Document Right Arrow Icon
Ask a homework question - tutors are online