NBR-_5419_(2005)_Sistema_Proteção_contra_Descargas_Atmosféri

Porm as armaduras dos pilares que nunca so

Info iconThis preview shows page 1. Sign up to view the full content.

View Full Document Right Arrow Icon
This is the end of the preview. Sign up to access the rest of the document.

Unformatted text preview: te do SPDA. 5.1.2.5.5 Para as edificaes de concreto armado existentes poder ser implantado um SPDA com descidas externas ou, opcionalmente, podero ser utilizadas como descidas as armaduras do concreto. Neste ltimo caso devem ser realizados testes de continuidade e estes devem resultar em resistncias medidas inferiores a 1 . As medies devero ser realizadas entre o topo e base de alguns pilares e tambm entre as armaduras de pilares diferentes, para averiguar a continuidade atravs de vigas e lajes. As medies podero ser realizadas conforme o anexo E. 5.1.2.5.6 Os anis horizontais externos, prescritos em 5.1.2.3.2, no so necessrios se forem utilizados como condutores de descida os pilares metlicos da estrutura ou as armaes de ao do concreto armado, desde que se admitam danos no revestimento dos elementos metlicos no ponto de impacto do raio. 5.1.2.5.7 As equalizaes de potenciais internos estrutura seguem o mesmo critrio do sistema externo. Isto significa que, prximo ao solo e, no mximo, a cada 20 m de altura, todas as massas metlicas (tubulaes, esquadrias metlicas, trilhos, etc.) devero ser ligadas diretamente a uma armadura local (de pilar, viga ou laje). Os sistemas eltricos de potncia e de sinal, devero ser referenciados a um barramento de equalizao (TAP/LEP), o qual dever ser ligado a uma armadura local e/ou ao eletrodo de aterramento. 5.1.2.6 Conexo de medio 5.1.2.6.1 Cada condutor de descida (com exceo das descidas naturais ou embutidas) deve ser provido de uma conexo de medio, instalada prxima do ponto de ligao ao eletrodo de aterramento. A conexo deve ser desmontvel por meio de ferramenta, para efeito de medies eltricas, mas deve permanecer normalmente fechada. 10 ABNT 2005 - Todos os direitos reservados Cpia no autorizada ABNT NBR 5419:2005 Tabela 2 -- Espaamento mdio dos condutores de descida no naturais conforme o nvel de proteo Nvel de proteo I II III IV NOTAS 1 A distncia mdia entre condutores de descida est relacionada com a distncia de segurana. Se os espaamentos mdios forem maiores que os especificados na tabela 2, as distncias de segurana podem resultar consideravelmente aumentadas. 2 Os condutores de descida devem ser, na medida do possvel, espaados regularmente em todo o permetro, devendo ser instalado, sempre que possvel, um condutor de descida em cada vrtice da estrutura. 3 Em estruturas cobrindo grandes reas com larguras superiores a 40 m, so necessrios condutores de descida no interior do volume a proteger (requisito que ser naturalmente atendido no caso de estruturas metlicas ou com armaduras de ao interligadas). Espaamento mdio m 10 15 20 25 Tabela 3 -- Sees mnimas dos materiais do SPDA Captor e anis intermedirios mm 35 70 50 Descidas (para estruturas de altura at 20 m) mm 16 25 50 Descidas (para estruturas de altura superior a 20 m) mm 35 70 50 Eletrodo de aterramento mm 50 80 Material Cobre Alumnio Ao galvanizado a quente ou embutido em concreto Tabela 4 -- Espessuras mnimas dos componentes do SPDA Dimenses em milmetros Material Ao galvanizado a quente Cobre Alumnio Ao Inox NPQ - no gera ponto quente; NPF - no perfura; PPF - pode perfurar. NOTAS 1 Independentemente das espessuras, devero ser mantidas as sees transversais mostradas na tabela 3. Captores NPQ NPF 4 2,5 5 2,5 7 2,5 4 2,5 Descidas PPF 0,5 0,5 0,5 0,5 0,5 0,5 0,5 0,5 Aterramento 4 0,5 -5 2 Os condutores e acessrios de ao (exceto inox) devem ser protegidos com uma camada zinco aplicado a quente (fogo) conforme a ABNT NBR 6323, ou com uma camada de cobre com espessura mnima de 254 m, conforme a ABNT NBR 13571. 3 O ao de construo s pode ser utilizado embutido em concreto. ABNT 2005 - Todos os direitos reservados 11 Cpia no autorizada ABNT NBR 5419:2005 5.1.3 5.1.3.1 Subsistema de aterramento Generalidades 5.1.3.1.1 Do ponto de vista da proteo contra o raio, um subsistema de aterramento nico integrado estrutura prefervel e adequado para todas as finalidades (ou seja, proteo contra o raio, sistemas de potncia de baixa tenso e sistemas de sinal). 5.1.3.1.2 Para assegurar a disperso da corrente de descarga atmosfrica na terra sem causar sobretenses perigosas, o arranjo e as dimenses do subsistema de aterramento so mais importantes que o prprio valor da resistncia de aterramento. Entretanto, recomenda-se, para o caso de eletrodos no naturais, uma resistncia de aproximadamente 10 , como forma de reduzir os gradientes de potencial no solo e a probabilidade de centelhamento perigoso. No caso de solo rochoso ou de alta resistividade, poder no ser possvel atingir valores prximos dos sugeridos. Nestes casos a soluo adotada dever ser tecnicamente justificada no projeto. 5.1.3.1.3 Sistemas de aterramento distintos devem ser interligados atravs de uma ligao eqipotencial de baixa impedncia. 5.1.3.2 5.1.3.2.1 a) b) c) d) Eletrodos de aterramento Os seguintes tipos de eletrodo de aterramento podem ser utilizados: aterramento natural pelas fundaes, em geral as armaduras de ao das fundaes; condutores em anel; hastes verticais ou inclinadas; condutores horizontais radiais; Eletrodos em forma de placas ou pequenas grades devem ser evitados, por razes de corroso. 5.1.3.2.2 5.1.3.2.3 No caso de eletrodos no naturais, devem ser instalados vrios eletrodos adequadamente distribudos. O comprimento total dos eletrodos de aterramento, conforme o nvel de proteo e para difer...
View Full Document

This note was uploaded on 08/12/2009 for the course IQ 23123 taught by Professor Varios during the Spring '09 term at Universidade de Brasília.

Ask a homework question - tutors are online