Maquinas_Sincronas - MQUINAS SNCRONAS 1 Captulo 2 2 -...

Info iconThis preview shows pages 1–4. Sign up to view the full content.

View Full Document Right Arrow Icon
Faculdade Pio Décimo MÁQUINAS SÍNCRONAS Elenilton T. Domingues - Máquinas Elétricas – Faculdade Pio Décimo 1 Capítulo 2 2 - Máquinas Síncronas Neste capítulo serão desenvolvidos métodos analíticos do desempenho de máquinas síncronas polifásicas em regime permanente. 2.1 - INTRODUÇÃO A máquina síncrona teve sua origem funcionando como gerador. O gerador elementar foi inventado na Inglaterra em 1831 por Michael Faraday, e nos EUA, mais ou menos na mesma época, por Joseph Henry. Este gerador consistia basicamente de um imã que se movimentava dentro de uma espira, ou vice-versa, provocando o aparecimento de uma f.e.m registrada num galvanômetro. Galvanômetro indicando a passagem de uma corrente N S Galvanômetro
Background image of page 1

Info iconThis preview has intentionally blurred sections. Sign up to view the full version.

View Full DocumentRight Arrow Icon
Faculdade Pio Décimo MÁQUINAS SÍNCRONAS Elenilton T. Domingues - Máquinas Elétricas – Faculdade Pio Décimo 2 2.2 - DESCRIÇÃO FÍSICA 2.2.1 - ESTATOR O estator da máquina síncrona é muito semelhante ao de um motor de indução. É cilíndrico, vazado, maciço ou composto de chapas laminadas (aço silício) dotadas de ranhuras axiais onde é alojado o enrolamento do estator. As chapas possuem características magnéticas de alta permeabilidade, criando um caminho magnético de baixa relutância para o fluxo, diminuindo assim o fluxo disperso e concentrando o campo no entreferro. As chapas são em geral tratadas termicamente a fim de reduzir o valor das perdas específicas por correntes induzidas. O enrolamento do estator pode ser tanto monofásico como trifásico. Em geral as máquinas síncronas são trifásicas, sendo que geradores monofásicos são mais utilizados em pequenas potências, ou quando não existe uma rede trifásica disponível, como em áreas rurais. Quando construídos para baixa tensão as bobinas do estator são formadas de fios com seção circular e esmaltados; as ranhuras do estator são neste caso do tipo semiabertas. Ver Fig. 2.1 Fig. 2.1- Ranhuras do enrolamento de baixa tensão No caso de enrolamentos de alta tensão os condutores são de seção retangular e as bobinas recebem uma camada extra de isolação com material a base de mica, sendo que as ranhuras são do tipo aberta. Ver Fig. 2.2 Fig. 2.2- Ranhuras do enrolamento de alta tensão A conexão dos enrolamentos segue o mesmo padrão que para as máquinas de indução, havendo máquinas com enrolamentos para ligação série-paralela, estrêla-triângulo e máquinas com tripla tensão nominal.
Background image of page 2
Faculdade Pio Décimo MÁQUINAS SÍNCRONAS Elenilton T. Domingues - Máquinas Elétricas – Faculdade Pio Décimo 3 2.2.2 - ROTOR O rotor é também formado de chapas laminadas justapostas que em geral são do mesmo material que o estator (aço-silício). Do ponto de vista construtivo existem dois tipos básicos de rotores: rotores contento pólos salientes e rotores contendo pólos lisos. Esta diferenciação conduz a modelos equivalentes diferentes, mas não altera em nada o princípio de funcionamento, que permanece idêntico para ambos.
Background image of page 3

Info iconThis preview has intentionally blurred sections. Sign up to view the full version.

View Full DocumentRight Arrow Icon
Image of page 4
This is the end of the preview. Sign up to access the rest of the document.

This note was uploaded on 08/12/2009 for the course IQ 343242 taught by Professor Zeruela during the Spring '09 term at Universidade de Brasília.

Page1 / 58

Maquinas_Sincronas - MQUINAS SNCRONAS 1 Captulo 2 2 -...

This preview shows document pages 1 - 4. Sign up to view the full document.

View Full Document Right Arrow Icon
Ask a homework question - tutors are online