COTE253 - MICROESTRUTURA DE TUBOS DE FORNO DE...

Info iconThis preview shows pages 1–3. Sign up to view the full content.

View Full Document Right Arrow Icon

Info iconThis preview has intentionally blurred sections. Sign up to view the full version.

View Full DocumentRight Arrow Icon
This is the end of the preview. Sign up to access the rest of the document.

Unformatted text preview: MICROESTRUTURA DE TUBOS DE FORNO DE PIR&LISE DESATIVADOS AP&S 91.000H DE OPERAO - RESULTADOS DA METALOGRAFIA &TICA Tito Fernando Antunes da Silveira UFRJ / COPPE / PEMM, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Coordenao dos Programas de Ps-Graduao em Engenharia, Programa de Engenharia Metalrgica e de Materiais. Tito Luiz da Silveira TSEC - Tito Silveira Engenharia e Consultoria Ltda. Luiz Henrique de Almeida UFRJ / COPPE / PEMM, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Coordenao dos Programas de Ps-Graduao em Engenharia, Programa de Engenharia Metalrgica e de Materiais. Marcelo Ferreira Moreira IPT - Instituto de Pesquisas Tecnolgicas do Estado de So Paulo, Laboratrio de Fundio. Trabalho apresentado na 6 a COTEQ - Conferncia Sobre Tecnologia de Equipamentos Salvador, Agosto, 2002 As informaes e opinies contidas neste trabalho so de exclusiva responsabilidade dos autores. SINOPSE So apresentados os resultados da anAlise metalogrAfica realizada em amostras de tubos procedentes de uma serpentina de forno de pir&lise, preventivamente desativada ap&s 91.000h de uso. O hist&rico do equipamento no registra anormalidades operacionais, tendo o mesmo sido submetido a 49 procedimentos de decoque ao longo de seu tempo de servio. microestrutura, caracterizada por microscopia &tica, foi avaliada de modo comparativo ao material no estado novo, considerando as transformaes decorrentes do envelhecimento por exposio a altas temperaturas e da carburizao imposta pelo meio interno ao tubo. No existe na literatura documentao sistemAtica sobre danos em servio em fornos de pir&lise, sendo o objetivo do presente trabalho apresentar contribuio no sentido do melhor entendimento dos mecanismos de acumulao de dano nessa classe de equipamento. Os resultados mostram que as alteraes estruturais observadas no segmento inicial das serpentinas no afetaram sua adequao ao uso, apontando para a hip&tese de sua reutilizao. JA os demais segmentos foram desativados quando ainda apresentavam vida residual significativa, embora seu reaproveitamento no seja justificado. 1 - INTRODUO Um dos processos para produo do eteno o craqueamento da nafta na presena de vapor. Esta reao endotrmica. Ela ocorre na cmara de radiao dos fornos de pir&lise, no interior de tubos arranjados em serpentinas, de modo a garantir o tempo de residncia da massa reacional. temperatura de parede dos tubos pode ultrapassar 1050 o C, em regime normal de operao. O projeto dessa classe de equipamento normalmente considera uma vida de referncia de 100.000h. espessura de parede dos tubos da radiao dimensionada com base na resistncia ruptura por fluncia. O processo nesse tipo de equipamento promove a formao de camadas de coque na parede interna das serpentinas, demandando operaes peri&dicas de decoque atravs da queima das camadas depositadas. O ntimo contato do coque com a superfcie...
View Full Document

Page1 / 13

COTE253 - MICROESTRUTURA DE TUBOS DE FORNO DE...

This preview shows document pages 1 - 3. Sign up to view the full document.

View Full Document Right Arrow Icon
Ask a homework question - tutors are online