O QFD AUXILIANDO NO DESENVOLVIMENTO DE NOVOS

O QFD AUXILIANDO NO - O QFD AUXILIANDO NO DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS NO SETOR DE ARMAMENTOS PARA UTILIZAO DAS POLCIAS MILITARES Eduardo Dias

Info iconThis preview shows page 1. Sign up to view the full content.

View Full Document Right Arrow Icon
This is the end of the preview. Sign up to access the rest of the document.

Unformatted text preview: O QFD AUXILIANDO NO DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS NO SETOR DE ARMAMENTOS PARA UTILIZAO DAS POLCIAS MILITARES Eduardo Dias Felix da Silva EFEI, Av. BPS, 1303 Bairro Pinheirinho Itajub MG 37500-000 e-mail: [email protected] Carlos Eduardo Franco de Paiva EFEI, Av. BPS, 1303 Bairro Pinheirinho Itajub MG 37500-000 e-mail: [email protected] Joo Batista Turrioni EFEI, Av. BPS, 1303 Bairro Pinheirinho Itajub MG 37500-000 e-mail: [email protected] ABSTRACT: This paper presents an initiation for the application of Quality Function Deployment (QFD) accomplished in IMBEL/FI, a company of the section of armaments that acts at the market of light armaments. The objective is to present and to comment a proposal of rising of the customers' needs and principal characteristics of the product to be developed, as well as applications of that " tool of the quality " under justification form of the work to be drifted and executed. This proposal is developed through a research example for obtaining of the essential information the military police of So Paulo and Minas Gerais which had been formalized for submission to the same ones, based on the model of Kano (1984). Keywords: Quality, Research, Pistol, Police. 1. INTRODUO Assim como em qualquer outro mercado, pode-se garantir que o mercado de armamentos, constitui-se cada vez mais em um cenrio muito competitivo, aonde a qualidade do produto vem cada vez mais se tornando uma caracterstica determinante para o sucesso e principalmente para a segurana individual e pblica. Aliado a esta necessidade, conforme Girardi (1998), o servio policial extremamente complexo e, dentro dessa complexidade, a necessidade de um disparo atinge propores inimaginveis para o pleno raciocnio humano naquele instante, quando o Policial Militar ocupa, obrigatoriamente momentos de tenso. Sob violenta tenso, emoo e muitas vezes medo, ele ter alguns segundos (quando tiver) para decidir se efetua o disparo. Para atender a estas necessidades da Polcia Militar (PM) e por conseqncia, da sociedade, o estudo de caso que ser relatado neste artigo est sendo realizado em uma empresa de Produtos Blicos, de grande porte, que atende tanto o mercado interno quanto o externo e j possui certificao ISO 9002 (1994). A empresa possui uma grande variedade de produtos, com enorme complexidade na sua fabricao. Na primeira parte deste trabalho, descrita a metodologia utilizada, ou seja, a implantao do Desdobramento da Funo Qualidade (QFD) e suas aplicaes. Em seguida, uma breve apresentao da empresa e do processo de fabricao de pistolas e como est sendo conduzido o processo de desenvolvimento de um novo produto dentro da organizao. Logo aps apresentado um exemplo de pesquisa junto aos clientes para posterior desdobramento junto s caractersticas da qualidade, encerrando com uma concluso, onde so descritos os resultados almejados com a utilizao do QFD. 2. REVISO BIBLIOGRFICA. Segundo Moura (1999), o QFD um mtodo para desenvolver projetos com qualidade, direcionando o atendimento da satisfao dos consumidores, atravs da traduo de suas necessidades e desejos, em objetivos para o desenvolvimento de novos produtos e/ou melhoria dos atuais, garantindo desta forma a qualidade do projeto como um todo desde a sua fase de idealizao at as fases de produo, comercializao e psvendas. Em complemento, O QFD busca ouvir o que dizem os clientes, descobrir exatamente o que eles querem e utilizar um sistema lgico para determinar a melhor forma de satisfazer as necessidades desses clientes com os recursos existentes (Ferroli 2000). Conforme Akao (1990), alguns benefcios trazidos pelo QFD, so a reduo do tempo de desenvolvimento, melhor atendimento s demandas do cliente, reduo das reclamaes, maior comunicao entre os Departamentos, crescimento e desenvolvimento dos participantes atravs do aprendizado mtuo, entre outros. Lobo (2000) aponta que o QFD pode obter custos menores e maior produtividade, alm de fornecer viso geral de todo o projeto. Alem da necessidade de desenvolvimento de uma novo produto, uma justificativa para a conduo pioneira desta pesquisa em uma empresa do setor de armamentos leves a diversificao da aplicao do QFD pelo mundo com sucesso.A importncia do QFD no desenvolvimento de produtos demonstrada atravs de suas diversas aplicaes nos mais diversos ramos de mercado. Entre estas aplicaes, podemos citar: O desenvolvimento de uma nova soluo para limpeza de circuitos impressos na IBM (Adiano 1995), planejamento de novos produtos na indstria automobilstica, Chrysler Corporation, Ford Motor Company e General Motors Corporation (Akao 1995), desenvolvimento de refrigeradores na Eletrnica LG, uma empresa sul coreana que confecciona equipamentos eltricos (Akao 1995), desenvolvimento de materiais de escrita, compressores hermticos para refrigerao (Silva 2000), desenvolvimento de produtos no setor alimentcio (Tumelero 2000 e Sarantopoulos 1999), gerenciamento da configurao de sistemas (desenvolvimento de softwares) como relatado por Lobo (2000), desenvolvimento de caminhes e nibus na Volkswagen (Fragoso 1999), aplicao no setor de servios (aplicao em um sistema de ensino) conforme Turrioni (2000), entre outras. O Desdobramento da Funo Qualidade uma excelente ferramenta para o planejamento da qualidade (Qualidade Planejada). Isso acontece porque o QFD permite priorizar componentes, processos, parmetros de processos e itens de infra-estrutura ou Recursos Humanos. Essas priorizaes facilitam a definio de atividades, que formam um plano de ao alinhado com as principais demandas do cliente (Tumelero 2000). De acordo com Akao (1995), a Qualidade Planejada representa a meta da mercadoria a ser alcanada. Entretanto, esta representada por meio de expresses verbais pelos clientes, no sendo possvel arquitetar o hardware, a nvel de produto sem convert-las. preciso, portanto, efetuar a converso dessas expresses em linguagem tcnica. Esta linguagem tcnica a prpria Caracterstica da Qualidade (CQ), sendo que a estrutura de classificao das caractersticas tcnicas a tabela de Desdobramento das Caractersticas da Qualidade e esta pertence ao Mundo da tecnologia. Ainda segundo Akao, a converso feira mediante o uso de uma Matriz, uma vez que o Mundo dos Clientes totalmente diferente do Mundo da tecnologia. Isto quer dizer que a Matriz da Qualidade possui o significado de uma matriz que possibilita a converso do Mundo dos clientes em Mundo da Tecnologia (vide figura 1) Mundo da Tecnologia CQ Mundo dos clientes Grau de importncia Comparao com outras empresas Qualidade Projetada Figura 1: Matriz da Qualidade. No existe uma clara distino entre a Qualidade Planejada e a Qualidade Projetada, mas de qualquer forma necessrio elaborar inicialmente a tabela de Desdobramento das Qualidades Exigidas (QE), uma vez que a deciso de compra dada pelos clientes. Estas qualidades exigidas devem ser convertidas para o Mundo da tecnologia, ou seja, em Caractersticas da Qualidade passveis de medio, que devem ser priorizadas atravs das correlaes e converses no interior da matriz. Finalmente devese estabelecer a Qualidade Projetada, representada por valores numricos concretos, a partir da comparao com os concorrentes e do grau de importncia. (Akao 1995) 3. PESQUISA DE MERCADO Uma forma de se conseguir esta converso, e primeiramente a determinao do desdobramento das Qualidades Exigidas a realizao de uma pesquisa junto aos clientes, pois como complemento, conforme Tumelero (2000), um aspecto importante inserido no QFD a postura de desenvolvimento de produtos orientada pelo mercado. natural, portanto iniciar o desenvolvimento de produtos pela pesquisa das necessidades e dos desejos dos clientes, cujas informaes so utilizadas no desdobramento da qualidade exigida. O propsito da voz do cliente dentro do desenvolvimento da funo qualidade (QFD) saber suas expectativas, desejos sonoros, e ainda, necessidades despercebidas. O propsito do QFD desdobrar a qualidade necessria para satisfazer e, at mesmo, deleitar o cliente. Desta forma, obter a voz do cliente o foco do processo de QFD. Se Qualidade Planejada Grau de importncia Comparao com outras empresas QE uma representao inexata dos desejos do cliente obtida, o processo de QFD ir direcionar o processo de desenvolvimento de produtos para produzir o produto errado. Isto ser um desperdcio! Assim, obter a voz do cliente com preciso um processo crtico para a prpria aplicao do QFD (Moura 1999). Oferecer um produto ou servio que os seus clientes considerem excelente requer que voc conhea as expectativas dos seus clientes (Wing, 1999). Sendo assim, a obteno da voz do cliente surgiu (conforme mencionado na sesso 4) de uma proposta de teste da prpria polcia de So Paulo, de onde se compilou estas necessidades, deixando-as com formato de pesquisa para divulgao tambm das Polcias de Minas Gerais e Rio de Janeiro (ver Anexo 1). Este formato busca obter dos clientes, as caractersticas consideradas, por eles, mais importantes em uma pistola para o desempenho de seu servio. Alm deste formato, sero enviados mais dois tipos de questionrio: Um primeiro para policiais que j atiraram com as pistolas IMBEL e um segundo para que os clientes efetuem uma comparao com o produto dos concorrentes. 4. O DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS NA IMBEL A IMBEL uma empresa fundada em 1934 e desde ento tem como principal cliente o exrcito brasileiro, tendo em vista que seu nico propsito era justamente o atendimento s foras armadas. Atualmente a empresa consolidou seu sistema de qualidade com a certificao segundo a norma NBR ISO 9002 (1994), tendo como seu principal produto as pistolas, que abastecem tambm o mercado externo Esse produto possui uma grande variedade de modelos e de peas que o compe. Algumas peas so recebidas acabadas outras semi-acabadas e a grande maioria produzida internamente. Destacam-se dentre outros, os processos de forjamento, raiamento interno do cano, tratamentos trmicos e superficiais alm dos testes de tiro, realizado em cada arma. Em 1998, foi realizado um teste conduzido pela prpria PM do estado de So Paulo (com seus requisitos) para analisar a adaptabilidade das pistolas calibre .40 (zero ponto quarenta da polegada) apresentadas pela IMBEL e seus concorrentes. O desenvolvimento de um novo produto, ento, surgiu a partir desta necessidade das polcias militares de adquirir novas pistolas com caractersticas peculiares a seu servio cotidiano. O calibre .40, ao contrrio do 9 mm (milmetros), no transfixa, penetra pouco, deixando no opositor toda a sua energia, paralisando-o imediatamente, com apenas um tiro, em 96% dos casos. E, o que importa, na realidade, paralisar o opositor; no mata-lo. Centenas de casos reais demonstraram que "agressores da sociedade", mesmo atingidos pelos calibres .38, 9mm, etc, em regies mortais, permaneceram vivos com tempo suficiente para conseguir o intento de matar o policial, antes de morrerem. Desde 1990, policiais que tradicionalmente utilizavam os calibres .38, 9mm, etc, abandonaram-nos para adotar o calibre .40. Todas as fbricas de pistolas do mundo, vendo o sucesso do calibre .40 passaram a fabricar pistolas semi-automticas .40, inclusive as duas fbricas nacionais (TAURUS e IMBEL). Ou se adaptam, ou ficam para trs. Baseados nos fatos supracitados, com a determinao do mercado e por conseqncia, da direo da empresa, iniciou-se o planejamento do desenvolvimento do produto. A contribuio desta pesquisa reside em trazer uma metodologia para os trabalhos de desenvolvimento de um novo produto. Para alcanar esta meta, a pesquisa est sendo orientada com o auxlio do modelo de Clark & Wheelright (1992), onde se pretende alinhar a definio do projeto (como a empresa configura o escopo do seu projeto), organizao do projeto e do pessoal (trata das pessoas alocadas ao projeto e sua forma de organizao), gerenciamento do projeto e liderana (caracteriza o papel dos lderes de projeto e o gerenciamento do projeto), resoluo de problemas, testes e prottipos (envolve a natureza dos problemas, sejam gerenciais ou tcnicos e a maneira como os prottipos e testes so utilizados para confirmar as escolhas feitas), revises gerenciais e controle (o papel da alta administrao e a natureza de sua integrao com o time de projeto) e as correes (a incerteza associada ao processo de desenvolvimento de produtos).(Valeri 2000). A definio do escopo do projeto realizada a partir das necessidades do mercado (conduzida atravs da pesquisa com os clientes) e das diversas fontes de idias que surgem na organizao ("pr-QFD"). Na IMBEL, a organizao do pessoal, formalizou-se pela criao de uma equipe multifuncional guardando as restries decorrentes das caractersticas organizacionais de uma "filial". Esta equipe receber treinamentos sobre QFD e a conduo dos trabalhos de desenvolvimento de um novo produto, alm de treinamento sobre anlise de valores que ser um recurso agregado para o enriquecimento desta pesquisa. O primeiro trabalho desta equipe ser o levantamento das caractersticas da Qualidade, ou seja, transpor para as planilhas do QFD aspectos de dimensionamento, de esttica, de custos, de mtodos produtivos, de materiais alternativos, entre outros (Ferroli 2000), para, juntos s necessidades levantadas dos clientes, construir a Matriz da Qualidade, correlacionando Necessidades e Caractersticas.A partir da definio do relacionamento entre os itens de qualidade demandada e as caractersticas de qualidade, determinada a importncia de cada caracterstica de qualidade. A Matriz da Qualidade rene informaes importantes sobre a relao de cada requisito tcnico do produto sobre as exigncias dos consumidores. Estes dados iro permitir a equipe uma viso precisa das implicaes de cada especificao sobre a satisfao dos consumidores (Tumelero 2000). Na seqncia, ser avaliada a dificuldade de atuao sobre as caractersticas de qualidade, ou seja, a dificuldade de modificar as especificaes das caractersticas de qualidade. Tambm ser realizada uma avaliao competitiva, comparando-se as especificaes atuais das caractersticas de qualidade do produto da empresa com as da concorrncia. Em seguida, a realizao da priorizao das caractersticas de qualidade, que permite identificar quais so as caractersticas que, caso desenvolvidas, tero um maior impacto sobre a satisfao dos clientes. 5. CONCLUSO Quebrar tradies e modificar maneiras de conduzir atividades em uma organizao que herdou filosofias rgidas e averses a mudanas um trabalho muito difcil e demorado, mas que tem que ser iniciado para poder funcionar. O objetivo principal deste trabalho, dentro da empresa, ser transmitir para a empresa a conscientizao da necessidade de uma slida integrao atravs de um eficiente gerenciamento de todas atividades pertinentes ao desenvolvimento, como tambm pela interligao entre os planejamentos estratgico, ttico e operacional, direcionando toda a empresa para um mesmo objetivo, ou seja, o sucesso. Adicionalmente, ressaltar a importncia do processo de desenvolvimento de produtos (PDP) e de equipes multifuncionais. Como resultado, este grupo de estudo pretende apresentar ao mercado, um novo produto, o mais prximo possvel das caractersticas solicitadas pelos clientes, sejam elas de qualidade ou tcnicas. Um trunfo adicional pesquisa a conduo de uma anlise de valores que ter poder para introduzir modificaes no processo de fabricao, no prprio produto final e propiciar melhorias tambm para os custos industriais da empresa em questo. Este resultado, quando alcanado, ser alvo de novo trabalho a ser apresentado para ilustrar o desenvolvimento por completo do QFD em uma indstria do setor de armamentos, servindo de exemplo para outras empresas da rea conduzirem suas atividades de desenvolvimento de produtos. 6. BIBLIOGRAFIA Adiano, C., Beyond the house of Quality: Dynamic QFD. Benchmarking for Quality Management & Technology, Vol.1, n1, MCB University Press, 1994. Akao, Y. Desdobramento da funo qualidade nas fases de planejamento e desenvolvimento. Fundao Christiano Ottoni, Belo Horizonte, 1995. Akao, Y. Quality function deployment: integrating product customer requirements into product design, Cambridge, Productivity Press, 1990. Clark, K, B.; Wheelwright, S. C, Revolutionizing product development: quantum leaps in speed, efficiency and quality, New York; The Free Press, 1992 Ferroli, P. C. M. O QFD auxiliando o projeto de novos produtos nas organizaes em aprendizagem. 2 Congresso Brasileiro de Gesto de Desenvolvimento de Produtos, So Carlos, 2000. Fragoso, H R., O ciclo de desenvolvimento do produto da Volkswagen caminhes e nibus. 1 Congresso Brasileiro de Gesto de Desenvolvimento de Produtos, So Carlos, 1999. Girardi, N., Tiro Defensivo: Pista policial de instruo (PPI), So Paulo, PMESP, Polcia Militar do Estado de So Paulo 1998. Girardi, N., Tiro Defensivo: Pista policial de Aplicao (PPA), So Paulo, PMESP, Polcia Militar do Estado de So Paulo 1998. Kano, N., Attractive quality and must be quality. Revista Hinshitsu, vol. 14, n.2, abril/1984. Traduzido por Mrio Nishimura para o portugus com o ttulo: Qualidade atrativa e qualidade obrigatria. Pirelli S/A Companhia Industrial Brasileira. Lobo, J. E. M . Aplicao do desdobramento da funo qualidade no gerenciamento da configurao de sistemas. Itajub, 2000. Dissertao de Mestrado em engenharia de Produo, EFEI, Escola Federal de Engenharia de Itajub. Moura, W. G. Aplicao do QFD no desenvolvimento do produto e do processo. 1 Congresso Brasileiro de Gesto de Desenvolvimento de Produtos, Belo Horizonte, 1999. Sarantopoulos, I. A, Processo de transferncia de tecnologia guiado pelo QFD. 1 Congresso Brasileiro de Gesto de Desenvolvimento de Produtos, So Carlos, 1999. Silva, M. M, Anlise do processo de desenvolvimento do produto: Estudo de caso em empresas manufatureiras baseado em um modelo referencial para caracterizao e diagnstico. 2 Congresso Brasileiro de Gesto de Desenvolvimento de Produtos, So Carlos, 2000. Tumelero, N.. O QFD como ferramenta de priorizao para o planejamento da qualidade. 2 Congresso Brasileiro de Gesto de Desenvolvimento de Produtos, So Carlos, 2000. Turrioni, J. B., Anlise da utilizao do QFD no setor de servios: aplicao em um sistema de ensino. 2 Congresso Brasileiro de Gesto de Desenvolvimento de Produtos, So Carlos, 2000. Wing, M. J., O guia da Artur Andersen: Como falar com seus clientes, o que eles tm a contar sobre a sua empresa quando voc faz as perguntas certas, Ed. Campus Ltda, Rio de Janeiro, 1999. Valeri, S. G. Anlise do processo de desenvolvimento de produtos de uma industria do setor automobilstico. 2 Congresso Brasileiro de Gesto de Desenvolvimento de Produtos, So Carlos, 2000. ANEXO 01 QUESTIONRIO FECHADO A IMBEL pretende modificar suas pistolas para melhor atend-los. Para isso precisamos de sua opinio, para definir o que necessita ser modificado. Responda este questionrio com ateno e sinceridade, pois sua opinio muito importante para ns. Obrigado pela colaborao. Nas questes de 1 a 6 gostaramos que voc expressasse sua opinio quanto importncia dos itens listados. 1. Segurana Confiabilidade no acionamento da tecla do gatilho, principalmente em situao de stress Confiabilidade no funcionamento da arma, quando em confronto armado com "agressores da sociedade" Confiabilidade na segurana do punho, quando em confronto armado com "agressores da sociedade" Confiabilidade no registro de segurana, quando em confronto armado com "agressores da sociedade" Confiabilidade na segurana do co, quando em confronto armado com "agressores da sociedade" Muito Importante Importante Indiferente Pouco Importante Sem importnci a 10 10 10 10 10 9 9 9 9 9 8 8 8 8 8 7 7 7 7 7 6 6 6 6 6 5 5 5 5 5 4 4 4 4 4 3 3 3 3 3 2 2 2 2 2 1 1 1 1 1 2. Acessrios da arma: Ter um bom preo Ter um bom custo de manuteno Ter um bom acabamento superficial Tamanho da massa da mira Tamanho da ala da mira Adaptao de acessrios (miras noturnas e funil, por exemplo) Muito Importante Importante Indiferente Pouco Importante Sem importnci a 10 10 10 10 10 10 9 9 9 9 9 9 8 8 8 8 8 8 7 7 7 7 7 7 6 6 6 6 6 6 5 5 5 5 5 5 4 4 4 4 4 4 3 3 3 3 3 3 2 2 2 2 2 2 1 1 1 1 1 1 3. Funcionamento da arma: Durabilidade Aquecimento das peas Funcionamento do carregador Capacidade do carregador Ter um bom desempenho quanto extrao Ter um bom desempenho quanto ao carregamento Ter flexibilidade do funcionamento (ao simples, dupla ao) Muito Importante Importante Indiferente Pouco Importante Sem importnci a 10 10 10 10 10 10 10 9 9 9 9 9 9 9 8 8 8 8 8 8 8 7 7 7 7 7 7 7 6 6 6 6 6 6 6 5 5 5 5 5 5 5 4 4 4 4 4 4 4 3 3 3 3 3 3 3 2 2 2 2 2 2 2 1 1 1 1 1 1 1 4. Movimento da arma: Transporte no coldre, quando no desempenho do servio Transporte na mo, quando no deslocamento, no caso de confronto armado Muito Importante Importante Indiferente Pouco Importante Sem importnci a 10 10 9 9 8 8 7 7 6 6 5 5 4 4 3 3 2 2 1 1 "Pegada" e a retirada do coldre, nos momentos de 10 10 10 10 10 10 9 9 9 9 9 9 8 8 8 8 8 8 7 7 7 7 7 7 6 6 6 6 6 6 5 5 5 5 5 5 4 4 4 4 4 4 3 3 3 3 3 3 2 2 2 2 2 2 1 1 1 1 1 1 emergncia Empunhadura simples ou dupla (uma ou duas mos) Peso da arma Firmeza em suas mos durante o disparo Recuo ("tranco") Peso do carregador 5. Simplicidade da arma: Manejo do sistema de segurana, nos momentos de utilizao rpida e urgente, aps o saque Facilidade de troca de carregadores Facilidade de uso e aplicao no servio Facilidade de limpeza e manuteno Muito Importante Importante Indiferente Pouco Importante Sem importnci a 10 10 10 10 9 9 9 9 8 8 8 8 7 7 7 7 6 6 6 6 5 5 5 5 4 4 4 4 3 3 3 3 2 2 2 2 1 1 1 1 6. Preciso da arma: Enquadramento rpido para o primeiro disparo Recuperao rpida para o enquadramento do segundo disparo Ter uma boa preciso Ter uma boa exatido Ter um bom alcance H outros itens que queremos perguntar a voc: Muito Importante Importante Indiferente Pouco Importante Sem importnci a 10 10 10 10 10 9 9 9 9 9 8 8 8 8 8 7 7 7 7 7 6 6 6 6 6 5 5 5 5 5 4 4 4 4 4 3 3 3 3 3 2 2 2 2 2 1 1 1 1 1 7. Enumere de 1 (mais importante) a 6 (menos importante) o que voc julga essencial para uma pistola atender s necessidades da Polcia Militar (no vale usar o mesmo nmero mais de 1 vez). Ter uma boa segurana Ter variedade de acessrios Ter um bom funcionamento Ter facilidade quanto aos movimentos Ter simplicidade de uso Ter uma boa preciso 8. Caso deseje fazer comentrios para melhoria do produto, sobre as perguntas acima ou quaisquer outras idias, utilize o espao abaixo. ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ________________________________________________________________________ ...
View Full Document

This note was uploaded on 11/16/2010 for the course EM 23141 taught by Professor Faga during the Spring '09 term at Universidad Europea de Madrid.

Ask a homework question - tutors are online