O_CUSTO_DE_CAPITAL.pdf - O CUSTO DE CAPITAL Assim como outros recursos corporativos o capital é limitado e h� um custo envolvido na escolha do projeto

O_CUSTO_DE_CAPITAL.pdf - O CUSTO DE CAPITAL Assim como...

This preview shows page 1 - 2 out of 15 pages.

O Custo de Capital – Prof. Rafael Antonini – Administrador CRA/RS: 24.421 Página 1 O CUSTO DE CAPITAL Assim como outros recursos corporativos, o capital é limitado e há um custo envolvido na escolha do projeto em que será feito o investimento. O capital - tanto próprio ou de terceiros - não é gratuito, tem um custo. Até certo ponto, o capital é encontrado e adquirido tal qual um videoteipe . Nós "compramos" o capital de credores e investidores próprios e investimos esse capital em projetos, tais como cadeias regionais de vídeo e música, que não somente cobrem o custo do capital, mas também proporcionam um retorno acima do referido custo. Se não pudermos aumentar a rentabilidade e conseguir um bom retorno sobre o património dos acionistas, então não devemos realizar o projeto. A forma como a empresa vê o custo de capital depende de seu ramo de negócio, das condições financeiras e do estágio do seu ciclo de vida. Uma empresa madura, com bom acesso aos mercados de capital, pode calcular seu custo de capital usando uma média ponderada baseada tanto na estrutura do seu capital atual quanto numa estrutura-meta de capital mais favorável. Então, desenvolve estratégias financeiras dentro dessas linhas de conduta. No nosso caso, o custo de capital depende mais de quando e onde conseguimos os recursos necessários para financiar nosso crescimento do que se vamos contratar um empréstimo ou emitir ações ordinárias para chegar a uma estrutura-meta de capital. A Blockbuster Entertainment é uma empresa nova que está crescendo rapidamente. De 1988 a 1992 crescemos de 589 para 3.127 lojas de vídeo; e o retorno aumentou de $137 milhões para 1,2 bilhão, o lucro por ação(LPA) aumentou de $0,15 para $0,76 durante o mesmo período. Nós financiamos grande parte desse crescimento com ações ordinárias. Baseamos nossos níveis ideais de empréstimo e capital próprio na obtenção de um retorno alto sobre o capital próprio que é indispensável para o acesso ao mercado de capitais. Se pudermos levantar um empréstimo a, digamos, 6% e alavancar o capital a 25-30% de retorno, investindo-o em nosso negócio principal teremos conseguido um retorno respeitável para os nossos acionistas. Usar o empréstimo aumenta o retorno sobre o capital próprio, porém, somente até determinado ponto. Se injetarmos muito empréstimo, os credores ficam com receio de que não tenhamos um fluxo de caixa adequado para pagá-los e, então os custos de financiamentos sobem significativamente. Obviamente, as tendências dos mercados acionários influenciam o tipo de títulos que vendemos numa determinada época. Monitoramos o mercado de capitais e avaliamos diferentes estratégias financeiras para reduzir nosso custo de capital e aproveitar outras oportunidades de investimento. Como uma empresa de capital aberto, estamos cientes dos lucros e praticamos as mesmas faixas de preço/lucro mantidas por empresas similares. Se elas negociassem numa faixa de 18-20 vezes de lucro e nós negociássemos numa faixa de 10 vezes, consideraríamos nossa ação abaixo do preço e procuraríamos outros meios para levantar dinheiro. Por exemplo, no início de 1993, achamos que nossa
Image of page 1
Image of page 2

You've reached the end of your free preview.

Want to read all 15 pages?

  • Fall '19
  • Dividendo, Finanças, Lucro, Preço, Investimento, Custo do capital

  • Left Quote Icon

    Student Picture

  • Left Quote Icon

    Student Picture

  • Left Quote Icon

    Student Picture

Stuck? We have tutors online 24/7 who can help you get unstuck.
A+ icon
Ask Expert Tutors You can ask You can ask You can ask (will expire )
Answers in as fast as 15 minutes