A Arte de Amar - Ovidio.pdf - DADOS DE COPYRIGHT Sobre a obra A presente obra \u00e9 disponibilizada pela equipe Le Livros e seus diversos parceiros com o

A Arte de Amar - Ovidio.pdf - DADOS DE COPYRIGHT Sobre a...

This preview shows page 2 - 6 out of 82 pages.

DADOS DE COPYRIGHTSobre a obra:A presente obra é disponibilizada pela equipe Le Livrose seus diversos parceiros,com o objetivo de oferecer conteúdo para uso parcial em pesquisas e estudosacadêmicos, bem como o simples teste da qualidade da obra, com o fimexclusivo de compra futura.É expressamente proibida e totalmente repudiável a venda, aluguel, ou quaisqueruso comercial do presente conteúdoSobre nós:O Le Livrose seus parceiros disponibilizam conteúdo de dominio publico epropriedade intelectual de forma totalmente gratuita, por acreditar que oconhecimento e a educação devem ser acessíveis e livres a toda e qualquerpessoa. Você pode encontrar mais obras em nosso site: LeLivros.siteou emqualquer um dos sites parceiros apresentados neste link."Quando o mundo estiver unido na busca do conhecimento, e não mais lutandopor dinheiro e poder, então nossa sociedade poderá enfim evoluir a um novonível."
Background image
Background image
SUMÁRIOPrefácio / 7A arte de amar / 13Livro Primeiro / 15Livro II / 47Livro III / 78Os remédios para o amor / 113Os produtos de beleza para o rosto da mulher / 149
Background image
PREFÁCIODe todos os poetas, Ovídio foi quem desvendou os mais belossegredos da natureza. Ele ensinou aos homens soltar o suspiro adequado eàs mulheres recebê-lo, aos homens, saber o momento propício aosamantes, e às mulheres, oferecê-lo. Como era um homem mundano quesabia amar o melhor e que amava a todos, ele humanizou tanto a virtudeque o pudor se harmonizou com a galanteria.MontesquieuA arte de amaré um surpreendente título que seduz por sua simplicidade einquieta por sua ingenuidade. Pode-se perguntar se é necessário, útil ouconveniente ensinar esta arte, que parece evidente, fazendo parte dessas coisastão compartilhadas e tão comuns a todos sem que seja preciso ensiná-las. MasOvídio não ensina o sentimento, mas a habilidade; não o amor, mas a sedução.Reconcilia os dois sexos e dá à mulher sua participação e sua iniciativa neste jogosério e leviano do qual séculos de “civilização” a excluíram.Ovídio é um escritor da felicidade, uma espécie de utopista feliz. Quandofalamos numa arte de amar, entramos – aparentemente – no domínio dasperversões: substituímos o artificial pelo natural, o engano pela verdade;introduzimos regras num lugar onde não deveriam haver; jogamos o que,evidentemente, não é um jogo. Mas não há proibições em Ovídio, tampoucomonstros. O autor de uma “arte do amor” subentende que o ato de amor tem porfim o prazer, não mais unicamente a procriação, e, ao mesmo tempo, ei-lo deuma vez por todas à mercê de leis frias, libertino... O Imperador Augusto que nãose enganava, tomou como pretexto A arte de amarpara mandar ao exílio Ovídio,o poeta – mesmo sendo política, neste caso, a verdadeira razão desta pena. Opoema de Ovídio imagina que os homens e as mulheres, desta Roma pacificadado tempo de Augusto, são livres, livres de corpo e de sentimentos. Ele inventauma arte sutil, feita de nuances e de uma incontestável disponibilidade, que nãotem outra finalidade senão a satisfação e o bem-estar do corpo. A sociedade
Background image
Image of page 6

  • Left Quote Icon

    Student Picture

  • Left Quote Icon

    Student Picture

  • Left Quote Icon

    Student Picture