Acionamentos de Maquinas - Motores - Inversores e Soft starter's

Ia onde ec kn v kn raia n v raia k 14 observamos

Info iconThis preview shows page 1. Sign up to view the full content.

View Full Document Right Arrow Icon
This is the end of the preview. Sign up to access the rest of the document.

Unformatted text preview: a entre a tensão terminal ( V ) e a f.c.e.m. ( Ec ) resultando numa corrente de armadura ( Ia ). Como já sabemos que, para a máquina funcionar como motor a tensão V deve ser superior a fcem Ec, temos: V = Ec + ∆V Quem é então essa diferença ∆V? Essa diferença de tensão é a queda de tensão no enrolamento da armadura, mais a queda de tensão nas escovas e mais a queda de tensão no anel comutador. Dessas quedas, vamos considerar apenas a queda no enrolamento da armadura. Esta queda de tensão é dada por: ∆V=Ra.Ia onde Ra é a resistência ôhmica da armadura. Mas, o que isto tem a ver com a velocidade do motor? T U D O! Vejamos: Podemos, então escrever uma equação para estas tensões, vistas até agora: logo, Tirando o valor de N; V = Ec + Ra.Ia , onde Ec = K.φ.N V = K.φ.N + Ra.Ia N= V − RaIa Kφ 14 Observamos então, que chegamos à velocidade do motor de corrente contínua em função dos seus parâmetros elétricos. Esta velocidade também pode ser expressa por; Ec N= Kφ Podemos observar que a velocidade de rotação dos motores de corrente contínua pode variar através de um dos seguintes parâmetros: 1 - Tensão da rede (V) 2 - Queda de tensão no circuito da armadura (IaRa) 3 - Fluxo de excitação (φ) O primeiro caso só é possível quando podemos interferir na tensão de alimentação do motor. Se a rede de alimentação é de corrente contínua podemos agir sobre a amplitude da tensão, que chega ao motor associado a uma resistência variável em série com o mesmo ou chaveando esta alimentação. Caso a rede de alimentação seja de corrente alternada agimos sobre a intensidade dos pulsos retificados. PROCESSO ENERGÉTICO DOS MOTORES D.C. ( POTÊNCIA ) Com o objetivo de analisar as diversas formas como se apresenta à energia internamente no motor, consideramos o motor a uma rotação constante e com uma excitação independente, conforme representação abaixo: + Ia P V Campo _ Figura – circuito elétrico do motor D.C. com excitação independente Nest...
View Full Document

This note was uploaded on 05/21/2012 for the course ELECTRIC E 102 taught by Professor Guimaraes during the Spring '12 term at Universidade Estadual Paulista.

Ask a homework question - tutors are online