47 48 relatrio oe2010 reforar a confiana na recuperao

Info iconThis preview shows page 1. Sign up to view the full content.

View Full Document Right Arrow Icon
This is the end of the preview. Sign up to access the rest of the document.

Unformatted text preview: (em virtude, por exemplo, de aumentos de impostos necessários para repor o equilíbrio orçamental e reduzir o rácio da dívida pública no PIB), o que implicará um aumento das taxas de juros reais e uma Stimulus to the Rescue? Short-Run Benefits and Potential Long-Run Costs of Fiscal Deficits”, IMF Working Paper e Manteu, Cristina e Carlos Martins (2009), “Quantificação do Impacto Económico dos Planos orçamentais de Estímulo com o Modelo NiGEM”, Boletim Económico de Verão do Banco de Portugal. 13 Manteu, C. e Martins, C. (2009) e Freedman, C. et al. (2009). 14 Hishow, O. (2009), “Stimulus packages in the old member states of the EU: more growth in the new entrants”, Stiftung Wissenschaft und Politik Working Paper FG1, August. 15 Spilimbergo, A et al. (2008). 16 Bénassy-Quéré, A. et al. (2009). 17 Pisani-Ferry, Jean e Bruno van Pottelsberghe (2009),“Handle with care! Post-crisis growth in the EU”, Bruegel Policy Brief. 18 No entanto, como referido em Freedman, C. et al. (2009), o impacto dos pacotes de estímulo à economia no défice poderá ser parcialmente compensado pelo efeito positivo do aumento da procura via estabilizadores automáticos. RELATÓRIO OE2010 Reforçar a Confiança na Recuperação da Economia e das Finanças Públicas contracção da procura. Neste contexto, a política orçamental terá que ser definida de tal forma que garanta o reequilíbrio das contas públicas, à medida que a economia recupera, de modo a evitar que os custos de longo prazo excedam os benefícios de curto prazo. Adicionalmente, quanto maior a credibilidade do compromisso com a sustentabilidade das finanças públicas no médio prazo maior tenderá a ser o efeito positivo da política 19 orçamental discricionária no curto prazo . Isto significa que pode não existir contradição entre as políticas keynesianas de estímulo à economia e a disciplina orçamental, antes complementaridade, desde que as políticas sejam definidas de forma adequada, potenciando o crescimento económico e compatíveis com finanças públicas sustentáveis a longo prazo. I.3.1.1. Iniciativas Adoptadas de Estímulo à Economia, no Mundo e em Portugal Perante o contexto de crise económica e financeira, o Governo Português implementou, no d...
View Full Document

Ask a homework question - tutors are online