A parcela maioritria com 77 do pib afecta s finanas e

Info iconThis preview shows page 1. Sign up to view the full content.

View Full Document Right Arrow Icon
This is the end of the preview. Sign up to access the rest of the document.

Unformatted text preview: referir que, durante a recente crise, não houve disponibilidades financeiras significativas destinadas a aumentar a capacidade de oferta de petróleo mediante o investimento em novas plataformas petrolíferas. Acresce que, num período de forte subida da taxa de desemprego e de agravamento de tensões em termos sociais, poderão existir maiores pressões para um recrudescimento do proteccionismo comercial e financeiro. A médio prazo, outros factores de risco poderão potenciar um período de estagnação económica prolongada, sobretudo nas economias avançadas, a saber, o cepticismo persistente do público em geral face às operações de intervenção nas instituições de crédito e a deterioração das finanças públicas. Por um lado, o reequilíbrio das instituições bancárias poderá ser adiado e demorar mais algum tempo, levando em linha de conta o aumento do volume de créditos de cobrança duvidosa associado às maiores dificuldades por parte das famílias e das empresas em cumprir os seus compromissos bancários. Por outro lado, apesar do recente agravamento do défice público e do aumento da dívida pública em vários países, a maioria deles tem optado por manter programas de relançamento económico e financeiro até que a recuperação esteja devidamente consolidada. Existem também razões para se ter algum optimismo acerca do enquadramento internacional futuro dado: i. o fim dos receios acerca do colapso do sistema financeiro internacional (similar ao da década de 30); ii. a nítida melhoria das expectativas dos operadores dos mercados financeiros; RELATÓRIO OE2010 Economia Portuguesa: Evolução Recente e Perspectivas para 2010 iii. a forte possibilidade do consumo e do investimento se situarem acima do previsto no curto/médio prazo II.3.2. Cenário Macroeconómico para 2010 As perspectivas para a economia portuguesa para 2010, reflectindo os sinais de retoma, embora lenta, da procura mundial, apresentam-se mais favoráveis face a 2009. Assim, após uma contracção do PIB em cerca de 2,6% em 2009...
View Full Document

This document was uploaded on 11/28/2013.

Ask a homework question - tutors are online