A taxa de poupana das famlias interrompeu em 2009 a

Info iconThis preview shows page 1. Sign up to view the full content.

View Full Document Right Arrow Icon
This is the end of the preview. Sign up to access the rest of the document.

Unformatted text preview: ções de bens e serviços, estas diminuíram 10,7% em 2009, uma quebra de 13,4 p.p. face ao valor registado no ano anterior. As exportações líquidas evoluíram favoravelmente durante o ano de 2009, apresentando contributos positivos para a taxa de crescimento do PIB desde o segundo trimestre do ano. Este resultado contrasta com o que havia sido observado em 2008, ano em que o contributo das exportações líquidas para a evolução do PIB foi negativo. II.2.2. Mercado de Trabalho Ao longo dos três primeiros trimestres de 2009, o mercado de trabalho acentuou o movimento de deterioração iniciado em meados do ano anterior, assistindo-se à subida da taxa de desemprego e a uma contracção do emprego total e da população activa. Quadro II.5. População Activa, Emprego e Desemprego (Taxas de variação homóloga, em %) 2008 2009 2007 2008 População activa Emprego total 0,6 0,2 0,1 0,5 I 0,2 1,1 II 0,8 1,4 III -0,3 -0,1 IV -0,2 -0,2 I -0,4 -1,8 II -1,0 -2,9 III -1,1 -3,4 Taxa de desemprego (%) (*) 8,0 7,6 7,6 7,3 7,7 7,8 8,9 9,1 9,8 Legenda: (*) População Desempregada/População Activa. Fonte: INE, Inquérito Trimestral ao Emprego. Ao longo dos primeiros nove meses do ano, a deterioração do emprego total tem-se tornado progressivamente mais acentuada, afectando sobretudo os indivíduos mais jovens (15-24 anos), cujo emprego registou, em termos médios, uma variação homóloga de -11,3% durante o período referido. Em termos de habilitações, a quebra homóloga do emprego concentrou-se exclusivamente nos indivíduos que completaram, no máximo, o ensino básico (variação média de -6%), o que contrasta com a evolução observada entre os indivíduos que completaram o ensino secundário e superior, onde em termos médios se verificaram crescimentos de, respectivamente, 6,2% e 3,8%. No conjunto dos três primeiros trimestres de 2009, o número de trabalhadores por conta própria exibiu uma variação homóloga mais negativa (-3,9%) do que o número de trabalhadores por conta de outrem (-2,1%), verificando-se, entre estes últimos, uma maior quebra do emprego nos indivíduos com contrato a termo. Em termos sectoriais, a contracção do emprego foi menos pron...
View Full Document

Ask a homework question - tutors are online