Algumas premissas relacionadas a aspectos da

Info iconThis preview shows page 1. Sign up to view the full content.

View Full Document Right Arrow Icon
This is the end of the preview. Sign up to access the rest of the document.

Unformatted text preview: nstituem um público específico; e, em quinto, os sistemas de informações possuem múltiplas funções. Targino (2000) considera que a idéia de circulação e troca de informações remete ao que se denomina comunicação. “Enquanto a informação é um produto, uma substância, uma matéria, a comunicação é um ato, um mecanismo, é o processo de intermediação que permite o intercâmbio de idéias entre os indivíduos”, “[...] variando de acordo com as características dos grupos nos quais e entre os quais se efetiva”, que no caso específico da comunicação científica, tal troca se restringe à comunidade científica. Sendo assim, em uma concepção bastante atual, “o sistema de comunicação científica inclui todas as formas de comunicação utilizadas pelos cientistas [...]”, que utilizam as mais diversas formas de difusão de seu trabalho “[...] além das publicações formais, formas diferenciadas de comunicação, como os recursos informais e eletrônicos”. No campo da literatura formal, encontram-se documentos apresentados nas mais diferentes formas de divulgação, possuindo maior ou menor grau de acessibilidade e condições de identificação e obtenção. Além dos clássicos e convencionais meios de divulgação científica - livros e periódicos científicos - a comunicação no âmbito da ciência também é feita por outros instrumentos, conhecidos como literatura não convencional ou literatura cinzenta, que também podem conter informações de valor inestimável, como, por exemplo, os relatórios técnico-científicos (produzidos por pesquisadores), teses e dissertações, comunicações em eventos científicos, etc. (FUNARO e NORONHA, 2006, p. 218-219). A comunicação informal em ciência, como o próprio nome sugere, é a comunicação que se dá em uma determinada comunidade científica a partir de informações veiculadas por meios não formais. É o caso de contatos 84 interpessoais, onde o exemplo mais trivial é a forma oral. Exemplos clássicos desse tipo de comunicação são aquelas ocorridas em reuniões e seminários científicos, em colégios invisíveis e, mais recentemente, nos colégios virtuais. A comunicação formal considerada que a informação registrada ou escrita, possui importância fundamental na construção da ciência. Mesmo assim, possui vantagens e desvantagens quando comparada com a comunicação informal, as quais diferem, permeiam e interagem com questões e temas relacionados à acessibilidade, confiabilidade, uso, durabilidade e morosidade da informação veiculada. Não há como julgar qual desses canais é mais importante ou melhor que o outro. Meadows (1999), em sua obra clássica, intitulada “Comunicação científica”, apresenta a distinção entre comunicação formal e informal: Uma comunicação informal é em geral efêmera, sendo posta à disposição apenas de um público limitado. A maior parte da informação falada é, portanto, informal, do mesmo modo que a maioria das cartas pessoais. Ao contrário, uma comunicação formal encontra-se disponível por longos períodos de tempo para um público amplo. Os periódicos e os livros são publica...
View Full Document

This document was uploaded on 01/24/2014.

Ask a homework question - tutors are online