De incio liam livros com a acelerao das coisas

Info iconThis preview shows page 1. Sign up to view the full content.

View Full Document Right Arrow Icon
This is the end of the preview. Sign up to access the rest of the document.

Unformatted text preview: gia. Neste sentido, Campos conclui que há: [...] de um lado para a contribuição do conhecimento acadêmico ao desenvolvimento tecnológico, através das citações de artigos científicos em textos de patentes. E do outro, a contribuição da P&D privada para o avanço científico é revelada pela análise de publicações conjuntas entre pessoas da indústria e de universidades e institutos públicos de pesquisa. Aqui as análises são baseadas na contagem de textos cuja autoria inclui tanto pesquisadores vinculados à academia como à indústria, o que representaria a contribuição desta ao conhecimento acadêmico. Chega-se portanto a uma dupla contribuição ao processo de inovação, que ocorre tanto da pesquisa acadêmica para o desenvolvimento tecnológico de caráter privado, como da P&D privada para o desenvolvimento científico codificado em publicações. Tal dinâmica, ao ser elucidada por dados empíricos de patentes e publicações, reforça a validade teórica do modelo interativo. (CAMPOS, 2006, p. 160). Algumas especificidades, temas e conceitos elementares relacionados aos documentos de patentes e de periódicos e seus artigos científicos, assim como o seu uso e crescente interesse para a construção de indicadores de CT&I são explorados mais a fundo nos próximos tópicos. 79 5.3.2 A produção e comunicação científica: o periódico científico A evolução da comunicação científica A comunicação científica é reconhecidamente uma atividade que remonta os séculos. Desde a antiguidade nota-se a existência de atividades que podem ser caracterizadas como atividade científica e, consequentemente, comunicação científica, à qual é inerente e indissociável. Tal comunicação passou por diversos estágios, meios, suportes e tipologias documentais ao longo da evolução da humanidade. Primeiramente, fora transmitida de forma oral, passando a ser comunicada através de suportes minerais (pedras), vegetais (papiro) e animais (pergaminho), atingindo escala industrial com os constantes desenvolvimentos como o do papel de celulose e o surgimento do, cada vez mais importante, documento eletrônico. Passa por diversos formatos como o rolo, o códex e o hipertexto. Pelas mais diversas tipologias documentais e tipos de institucionalização, desde as primeiras bibliotecas da antiguidade, passando pelas bibliotecas de mosteiros, pelo surgimento das universidades, pelas grandes oficinas tipográficas a partir da invenção de Gutenberg, até as bibliotecas modernas e repositórios eletrônicos e digitais. A concepção moderna de ciência e, consequentemente, de comunicação científica difere substancialmente da ocorrida na Antiguidade e na Idade Média. A comunicação científica mais próxima do que conhecemos hoje surge a partir da Idade Moderna, mais precisamente durante a chamada Revolução Científica iniciada em 1540. Período marcado pelo surgimento de grandes nomes como, por exemplo, Isaac Newton, Galileu Galilei, René Descartes, Francis Bacon. Par...
View Full Document

This document was uploaded on 01/24/2014.

Ask a homework question - tutors are online