Por outro lado um artigo cientfico passa a ser

Info iconThis preview shows page 1. Sign up to view the full content.

View Full Document Right Arrow Icon
This is the end of the preview. Sign up to access the rest of the document.

Unformatted text preview: das nações. 81 Diante da disseminação da imprensa, onde o livro se constituía numa nova força para a comunicação científica e desenvolvimento dos campos científicos, Price (1976) relata: Em sua reação, a ciência comportou-se exatamente como uma explosão atômica. Assim já se havia se comportado antes. A unificação das astronomias grega e babilônica pode ser comparada a uma bomba em que as partes se fundem com liberação do excesso de energia. No que se refere ao surgimento dos livros, tudo ocorreu como se se tratasse de uma bomba de fissão em que se tivesse repentinamente atingido a massa crítica, ocorrendo uma reação em cadeia. Por essa época a ciência se tornou cumulativa, em termos diferentes dos anteriores. Em épocas passadas, cada homem dera sua contribuição baseada na sabedoria antiga, por ele assimilada em seu primeiro aprendizado. Agora, o ritmo se tornava mais rápido, a pessoa tinha de absorver livros novos e manter-se informada a cerca do trabalho de seus companheiros – e só assim poderia avançar. Ainda não tinha inventado o artigo científico e o homem não se inclinava a publicar enquanto não julgasse ter-se assenhoreado completamente de um determinado ramo da ciência e ter condições de produzir obra definitiva. O estágio seguinte – aparecimento da academia científica e de sua revista especializada – só se completou cento e cinqüenta anos mais tarde, em meados do século XVIII, quando a Revolução Científica já se vinha processando. (PRICE, 1976, p. 97). Muitos foram os aspectos que proporcionaram a expansão e a acumulação do conhecimento e da consequente comunicação científica. Weitzel (2006, p.83) destaca a laicização do conhecimento com o fim do monopólio do saber, controlado pela Igreja Católica bem como o domínio da tecnologia da imprensa e do papel; o desenvolvimento do método científico e das descobertas científicas; o surgimento das sociedades científicas, notadamente a Royal Society (1662) e Academie Royale dês Sciences (1666), como instituições organizadoras do saber; e o surgimento da primeira revista científica, Philosophical Transactions em 1665, precursora do modelo atual de comunicação científica. Dentre esses acontecimentos, muito bem lembrados por Weitzel (2006), pode-se destacar pelo menos 2, considerados determinantes no surgimento e aperfeiçoamento da comunicação científica: o advento das sociedades científicas e o da revista científica. O surgimento de academias de ciência foi de rápida organização, quase que simultânea em vários países europeus, onde já havia um numeroso grupo de amadores e profissionais que podiam reunir-se, trocar impressões, partilhar de instrumentos e serviços (como era o caso de coleções de obras de preço elevado). Neste contexto, por sua vez, nasce o, indiscutivelmente, mais importante meio de divulgação científica de todos os tempos - revista 82 especializada e o seu artigo científico, uma nova fo...
View Full Document

This document was uploaded on 01/24/2014.

Ask a homework question - tutors are online