Sul universidad de jan university of missouri cologne

Info iconThis preview shows page 1. Sign up to view the full content.

View Full Document Right Arrow Icon
This is the end of the preview. Sign up to access the rest of the document.

Unformatted text preview: científica internacional significativamente menor estão três grandes produtores de artigos científicos em biodiesel: China, Índia e Brasil. Do montante de artigos publicados pelos países, 7% contam com colaboração internacional. Destacando-se o Brasil, nota-se que esse percentual de 176 publicações em colaboração é baixo, quando se compara com os dados de participação no total da produção nacional. Em 2002 o país contava com, aproximadamente, 30% dos seus artigos em colaboração internacional. A Índia não apresenta uma grande surpresa, visto que, sabidamente, possui baixos índices de colaboração internacional, sendo mais baixo do que em outras nações emergentes, como o Brasil, mas ainda mais inferiores quando comparado com os países do G8. (ADAMS, KING e SINGH, 2009). Conforme foi explicitado nos procedimentos metodológicos, os países e organizações que não possuem suas patentes indexadas na base de dados DII, mas que mantiveram atividades colaborativas com países que as possui, foram mantidos para a análise da rede de colaboração do segundo. Com objetivo de ilustrar e contextualizar as análises, os países não indexados na base DII, mas que contam com artigos publicados conjuntamente com países indexados são apresentados: Turquia (5 artigos); Colômbia (1); Vietnã (2); Grécia (3); Malaui (1); Tailândia (2); Egito (1); Malásia (1); Islândia (1); e Benin (2). A dinâmica de colaboração científica internacional dos países produtores de artigos em biodiesel é ilustrada na Figura 32. A rede (cuja densidade, relativamente baixa, é de 9,76%) proporciona a visualização dos países que possuem artigos em colaboração com outros países, os que não possuem artigos em colaboração, bem como, aponta quais são esses países e a intensidade das relações entre eles (quanto mais espessa as linhas, mais publicaram artigos conjuntamente). Os países do canto superior esquerdo da Figura 32 (Eslováquia, México, Noruega, Portugal, República Tcheca, Rússia e Suécia) não possuem artigos realizados em colaboração com outros países. Na posição direita da mesma encontra-se a África do Sul desconectada da rede principal, cujo artigo em colaboração deu-se com um país que não possui suas patentes indexadas na base de dados DII. Na área central da Figura 32 encontram-se a parte principal da rede e suas conexões. As linhas representam as ligações entre os países e quanto mais espessas, maior é a quantidade de artigos que o país tem publicado com outros países ou nós. Os Estados Unidos são considerados o centro da rede (com grau de centralidade de 12,68%), possuindo o maior número de conexões entre países. O país possui Produção Científica em colaboração com 18 países. Observa-se que este comportamento colaborativo, relativamente, importante, apresentado pelos 177 Estados Unidos em biodiesel não é compatível com outras áreas, tornando explícita a complexidade das dinâmicas colaborativas dos países. No caso da área de bioprospecção, segundo Lima, Velho e Faria (2007) o país, que também é líder na produtividade científica, apresenta índices de colaboração menores quando comparados a outros. A Alemanha também se destaca pela quantidade de países que se relaciona cientificamente (12 no total). O grau de centralidade do país é o segundo maior, correspondendo a 6,52%. Com um número menor de relações, mas possuindo ainda uma quantidade relativamente alta...
View Full Document

Ask a homework question - tutors are online