A tua fronte \u00e9 como o muro de alabastro do tempo de Zamaz al Kaad onde os

A tua fronte é como o muro de alabastro do tempo de

This preview shows page 85 - 88 out of 93 pages.

fronte é como o muro de alabastro do tempo de Zamaz-al-Kaad, onde os sábios iam roçar onariz e pensar na Eternidade. A tua boca é uma tamara partida... Não, a tua boca é como um...um... Pera só um pouquinho...""A tua boca, a tua boca, a tua boca... (Uma imagem, meu Deus!)""Que qui tem a minha boca?""A tua boca, a tua boca... Bom, vamos pular a boca. O teu pescoço é como o pescoço de GretaGarbo na famosa cena da nuca em Madame Walewska, com Charles Boyer, dirigido porClawrence Brown, ilumlnado por... Escuta aqui..."Eu tremo! Eu desfaleço! Ela quer que eu a escute! Como se todo o meu ser não fosse umamembrana que espera a sua voz para reverberar de amor, como se o céu não fosse a campanae o Sol o badalo desta sinfonia espacial: uma palavra dela...""Ta ficando tarde.
Background image
"Sim, envelhecemos. O Tempo, soturno cocheiro deste carro fúnebre que é a Vida. Comodisse Eliot, aliás, Yeats - ou foi Lampedusa? -, o Tempo, esse surdo-mudo que nos leva àscostas...""Vamos logo que hoje eu não posso ficar toda a noite.""Vamos! Para o Congresso Carnal. O monstro de duas costas do Bardo, acima citado. Quenossos espíritos entrelaçados alcem v"o e fujam, e os sentidos libertos ergam o timão einsuflem as velas para a tormentosa viagem ao vórtice da existência humana, onde, que, a, e, o,um, como, quando, por que, sei lá...""Vem logo.""Palavras, palavras...""Depressa!""Já vou. Ah, se com estas roupas eu pudesse despir tudo, civilização, educação, passado,história, nome, CPF, derme, epiderme... Uma união visceral, pâncreas e pâncreas, os doiscorações se beijando através das grades das caixas torácicas como Glenn Ford e Diana Lynnem...""Vem. Assim. Isso. Acho que hoje vamos conseguir. Agora fica quieto e..." Já sei!"O quê? Volta aqui, p"...""Como um punhado de amoras na neve das estepes. A tua boca é como um punhado de amorasna neve das estepes!"***TerrinhaEla não tirava os olhos dele, e ele pensou "Ué", e depois pensou "E eu neste estado", porqueandava mal, mal vestido, mal barbeado, mal dormido, mal vivido, o que será que essa meninaquer? Até que não é feia, mas... Meu Deus, ela vem vindo para cá.Deixa eu pelo menos alisar os ca...- O quê?- Como vai o Odipé?Ele ficou confuso. Ia dizer "Não conheço ninguém com esse nome" e então se lembrou, oOdipé. A minha peça!- Puxa, faz tanto tempo. Você viu, é?
Background image
- Devo ter visto umas 20 vezes.- Puxa.- Olha, eu sou sua, sei lá. Vidrada, viu?Ele apalpou as costas para ver se a camisa estava para fora das calças, uma fã e eu nesteestado.- Então você é lá da terrinha, é?- É, vim este ano estudar aqui, nunca pensei que fosse encontrar você, esta cidade é tãogrande. Tudo que vocês faziam nós achávamos maravilhoso.- Nós?- É. Tem uma turma lá na terrinha, você nem vai acreditar, a gente imitava vocês. Fizemos atéuma versão do Odipé na escola, deu o maior rolo. Teve pai de aluno que protestou. O maiorescândalo.
Background image
Image of page 88

You've reached the end of your free preview.

Want to read all 93 pages?

  • Fall '19
  • Fernando Sandoval

  • Left Quote Icon

    Student Picture

  • Left Quote Icon

    Student Picture

  • Left Quote Icon

    Student Picture