45 Sua paix\u00e3o por Am\u00e9lia tinha realmente uma virgindade O conquistador havia

45 sua paixão por amélia tinha realmente uma

This preview shows page 45 - 47 out of 63 pages.

45 Sua paixão por Amélia tinha realmente uma virgindade. O conquistador havia amado na mulher todas as graças e encantos, mas nunca até então havia adorado um pé. Devia, pois, experimentar realmente as sensações inebriantes de um primeiro amor. Na sala dançava-se a sexta quadrilha. — Acho-a pensativa, disse Leopoldo, reparando que o lindo rosto de seu par, ordinariamente animado por uma gentileza vivaz, estava agora amortecido pela reflexão. Amélia fitou nele seus grandes olhos ingênuos. — E não tenho razão?... Leopoldo calou-se. Tinha compreendido o pensamento de Amélia. Na véspera de decidir de seu destino, de ligar eternamente sua existência, a mulher deve ter desses instantes de recolhimento íntimo. A dúvida agita-se no seio da fé mais profunda, o receio no âmago da esperança mais risonha. As flores do coração, como as da natureza, têm um verme, que as babuja. Que podia Leopoldo dizer a essa alma perplexa? Aumentar-lhe a dúvida, dar força às vacilações, não seria digno; parecia-lhe uma sedução. Confortá-la em sua fé, animar-lhe a esperança, apontar-lhe para um futuro cheio de venturas, fora nobre e generoso; mas faltava-lhe abnegação para tanto. Terminada a contradança, Amélia pelo braço do par deu uma volta pela sala. A um aceno de seu leque, Horácio, que estava conversando em um grupo, chegou-se. — Chame papai. São horas! Enquanto o leão procurava o Sales para preveni-lo do desejo de sua filha, Amélia dirigiu-se ao toucador. Leopoldo ficara surpreso de ver a moça falar a Horácio, e com um tom bem expressivo de intimidade. — Não pensava que se conhecessem... tanto! disse ele com a voz comovida. — Pois é com ele... O rubor que tingiu as faces da donzela rematou a frase com a sublime eloqüência do pudor. — Não sabia? perguntou a moça para disfarçar. — Não! — Como o Sr. diz este não! Com efeito, a voz de Leopoldo tivera uma vibração profunda, quando pronunciara aquele simples monossílabo. — Desejava que não fosse ele? perguntou a moça com certa ansiedade. — Por quê? Aproximava-se Horácio dando o braço a D. Leonor e seguido pelo negociante. Amélia separou-se de seu cavalheiro e, levantando a cortina de veludo do toucador, voltou-se: — Há de me dizer! insistiu. — É preciso? perguntou Leopoldo, e seu olhar desceu lentamente do rosto da moça à fímbria do vestido. Amélia empalideceu; a cortina, escapando de sua mão trêmula, ocultou-a. — Conhecias Amélia? perguntou Horácio, enquanto esperava que as senhoras saíssem do toucador. — Estás admirado, sem dúvida! retorquiu Leopoldo secamente.
Image of page 45
46 O leão fitou no companheiro um olhar interrogador; mas ocorreu-lhe de repente uma idéia, que lhe trouxe aos lábios um sorriso de ironia. Lembrara-se do aleijão. A mulher amada por Leopoldo não podia ser Amélia. Mas quem sabe se o idealista capaz de adorar uma monstruosidade, o espírito severo que desdenhava a beleza material, não sofria a sedução irresistível do mimoso pezinho?
Image of page 46
Image of page 47

You've reached the end of your free preview.

Want to read all 63 pages?

  • Fall '08
  • Staff
  • Rio de Janeiro, Amor, fogo, Pensamento, Vinho, Esfinge

  • Left Quote Icon

    Student Picture

  • Left Quote Icon

    Student Picture

  • Left Quote Icon

    Student Picture