{[ promptMessage ]}

Bookmark it

{[ promptMessage ]}

Poesia a metáfora serve para recordar o autor e para

Info iconThis preview shows pages 2–4. Sign up to view the full content.

View Full Document Right Arrow Icon
poesia, “a metáfora serve para recordar o autor e para confundir nossos pesares com os dele”. Se “o tempo (...) enriquece os versos”, isso significa que eles ganham interpretações, distanciam-se do seu sentido original. O “singular benefício da poesia” está na possibilidade de, mesmo que estiver descontextualizada a metáfora, ela dizer muito sobre mim. É a revalidação das metáforas ao retomar um assunto sobre um outro foco. A filosofia anula essa possibilidade na medida em que está tratando de algo que, em princípio, não seria passível desse tipo de interpretação, pois os filósofos incorrem em sua atestação da verdade em seus textos. O problema é que esses textos, ao serem concluídos,
Background image of page 2

Info iconThis preview has intentionally blurred sections. Sign up to view the full version.

View Full Document Right Arrow Icon
não estarão mais sob a sua guarda e, ao serem reinterpretados, resgatarão o que foi dito? Serão passíveis de compreensão? A verdade das teorias humana depende dos fatos reais. Averróis, no conto, percebe isso. E diante dos fatos que lhe foram apresentados ele aproximou-se, a seu modo, de Aristóteles, mas jamais iria chegar ao que Aristóteles quis dizer realmente. Essa é a impossibilidade apontada por Borges. É por isso que Averróis some. No momento em que ele consegue extrair ao máximo da sua realidade um certo entendimento – um sentido – sobre a tragédia, ele desaparece. Hoje, leremos a Poética em português. E teremos a intermediação das traduções, do tempo e dos significados. O significado qual é? Hoje podemos imaginar que sabemos o que significava aquelas palavras para Aristóteles e a possibilidade de estarmos enganados existe. É difícil resgatar o que foi dito há muito tempo atrás. Para compreendermos totalmente Aristóteles precisaríamos voltar à Grécia antiga, ler o que ele leu, conhecer como ele utilizava seu idioma para se comunicar. No meu entendimento, é isso que tentamos fazer, sem conseguir. Estamos tentando entender filosofia, mas isso ocorre – quando muito – parcialmente. Se eu abandono a questão da íntima motivação do filósofo ao compor sua obra, não se trata mais do que ele pretendeu dizer, mas sim do que aquilo significa pra mim. No entanto, não é isso
Background image of page 3
Image of page 4
This is the end of the preview. Sign up to access the rest of the document.

{[ snackBarMessage ]}