Rio pode dar origem a processo de erosão interna

Info icon This preview shows pages 417–419. Sign up to view the full content.

rio, pode dar origem a processo de erosão interna, subsidências e mesmo colmatação parcial dos poros a longo prazo, devido ao deslocamento de partículas menores. A interpretação dos resultados de campo deve ser acompanhada de testes de laboratório que caracterizem o perfil de solo e ensaios especiais no caso de solos problemáticos, como os solos colapsáveis. 5.3 Interpretação de ensaios de infiltração em poço A ABGE (1996) sugere um método de interpretação do rebaixamento do nível d’água nas estruturas tipo poços de infiltração com geometria semelhante à apresentada na Figura 8. O poço de infiltração é representado por um tubo cilíndrico de raio r , altura h da lâmina d’água na estrutura, e o rebaixamento da lâmina d’água, Δ h , em um intervalo de tempo igual a Δ t para um nível de lençol freático conhecido. A partir da Figura 8, a determinação da permeabilidade k é feita de acordo com a Equa- ção 1: Δ h 2 r k = × Δ h R (1) em que: R é o raio de influência considerada uma distância hipotética que, simplificadamen- te, representaria a zona do solo que receberia o volume infiltrado, escoamento que se faz do centro do furo para a lateral ao longo da profundidade do poço. Esse raio de influência pode ser estimado conhecendo-se a porosidade do solo e o volume de água máximo a ser infiltrado. A relação entre R e h é dada pela equação a seguir: R 2 + R h = 0 (2) Segundo Rodio (1960) apud Boletim da ABGE (1996) a equação evidencia que quan- to menor for o rebaixamento, menor será a variação de R e mais válida será a aplicação da Equação 2. Figura 8. Modelos adotados para avaliar a taxa de infiltração do poço: detalhamento do poço de ensaio para determinação da taxa de infiltração (ABGE, 1996).
Image of page 417

Info icon This preview has intentionally blurred sections. Sign up to view the full version.

Tópicos sobre infiltração: teoria e prática aplicadas a solos tropicais 388 Os resultados dos ensaios de infiltração em poço podem ser utilizados para o cálculo da “taxa de infiltração”. Num intervalo de tempo qualquer, à medida que a água infiltra, o nível d’água no poço abaixa e a área disponível para infiltração reduz. A Equação 3 e a Figura 9 mostram como calcular a área de infiltração que varia a cada instante com a redução de h e aumento de Z médio , sendo: Z médio = ( Z 1 + Z 2 )/2 (3) onde: Z 1 = é a altura de secagem num tempo inicial; Z 2 = é a altura de secagem em um tempo final. A área de infiltração corresponde à área das paredes verticais das estruturas mais a área do fundo, de acordo com a Equação 4 a seguir: A = 2π∙ r ( H Z méd ) + π r 2 (4) Figura 9. Determinação da área de infiltração no poço (LEãO CARVALHO, 2008). A taxa de infiltração I é calculada por meio da relação do volume infiltrado pela área de infiltração da estrutura, em relação ao tempo acumulado: V I = A × Δ h (5) em que: V= volume em m 3 ; A= área de infiltração; Δ t = intervalo de tempo para medir a varia- ção do nível d’água na estrutura (minuto ou fração).
Image of page 418
Image of page 419
This is the end of the preview. Sign up to access the rest of the document.

{[ snackBarMessage ]}

What students are saying

  • Left Quote Icon

    As a current student on this bumpy collegiate pathway, I stumbled upon Course Hero, where I can find study resources for nearly all my courses, get online help from tutors 24/7, and even share my old projects, papers, and lecture notes with other students.

    Student Picture

    Kiran Temple University Fox School of Business ‘17, Course Hero Intern

  • Left Quote Icon

    I cannot even describe how much Course Hero helped me this summer. It’s truly become something I can always rely on and help me. In the end, I was not only able to survive summer classes, but I was able to thrive thanks to Course Hero.

    Student Picture

    Dana University of Pennsylvania ‘17, Course Hero Intern

  • Left Quote Icon

    The ability to access any university’s resources through Course Hero proved invaluable in my case. I was behind on Tulane coursework and actually used UCLA’s materials to help me move forward and get everything together on time.

    Student Picture

    Jill Tulane University ‘16, Course Hero Intern