Aqui est? um exemplo de um programa que lê 5 strings

Info icon This preview shows pages 5–8. Sign up to view the full content.

View Full Document Right Arrow Icon
Aqui está um exemplo de um programa que lê 5 strings e as exibe na tela: #include <stdio.h> int main () { __________________________________________________________________________________ _ CURSO DE C DO CPDEE DA UFMG 39
Image of page 5

Info iconThis preview has intentionally blurred sections. Sign up to view the full version.

View Full Document Right Arrow Icon
char strings [5][100]; int count; for (count=0;count<5;count++) { printf ("\n\nDigite uma string: "); gets (strings[count]); } printf ("\n\n\nAs strings que voce digitou foram:\n\n"); for (count=0;count<5;count++) printf ("%s\n",strings[count]); return(0); } Matrizes multidimensionais O uso de matrizes multidimensionais na linguagem C é simples. Sua forma geral é: tipo_da_variável nome_da_variável [tam1][tam2] ... [tamN]; Uma matriz N-dimensional funciona basicamente como outros tipos de matrizes. Basta lembrar que o índice que varia mais rapidamente é o índice mais à direita. Inicialização Podemos inicializar matrizes, assim como podemos inicializar variáveis . A forma geral de uma matriz como inicialização é: tipo_da_variável nome_da_variável [tam1][tam2] ... [tamN] = {lista_de_valores}; A lista de valores é composta por valores (do mesmo tipo da variável) separados por vírgula. Os valores devem ser dados na ordem em que serão colocados na matriz. Abaixo vemos alguns exemplos de inicializações de matrizes: float vect [6] = { 1.3, 4.5, 2.7, 4.1, 0.0, 100.1 }; int matrx [3][4] = { 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12 }; char str [10] = { 'J', 'o', 'a', 'o', '\0' }; char str [10] = "Joao"; char str_vect [3][10] = { "Joao", "Maria", "Jose" }; O primeiro demonstra inicialização de vetores. O segundo exemplo demonstra a inicialização de matrizes multidimensionais, onde matrx está sendo inicializada com 1, 2, 3 e 4 em sua primeira linha, 5, 6, 7 e 8 na segunda linha e 9, 10, 11 e 12 na última linha. No terceiro exemplo vemos como inicializar uma string e, no quarto exemplo, um modo mais compacto de inicializar uma string. O quinto exemplo combina as duas técnicas para inicializar um vetor de strings. Repare que devemos incluir o ; no final da inicialização. Inicialização sem especificação de tamanho Podemos, em alguns casos, inicializar matrizes das quais não sabemos o tamanho a priori . O compilador C vai, neste caso verificar o tamanho do que você declarou e considerar como sendo o tamanho da matriz. Isto ocorre na hora da compilação e não poderá mais ser mudado durante o programa, sendo muito útil, por exemplo, quando vamos inicializar uma string e não queremos contar quantos caracteres serão necessários. Alguns exemplos: char mess [] = "Linguagem C: flexibilidade e poder."; int matrx [][2] = { 1,2,2,4,3,6,4,8,5,10 }; No primeiro exemplo, a string mess terá tamanho 36. Repare que o artifício para realizar a inicialização sem especificação de tamanho é não especificar o tamanho! No segundo exemplo o valor não especificado será 5. __________________________________________________________________________________ _ CURSO DE C DO CPDEE DA UFMG 40
Image of page 6
AULA 6 – PONTEIROS Como Funcionam os Ponteiros Declarando e Utilizando Ponteiros Ponteiros e Vetores Vetores como ponteiros Ponteiros como vetores Strings Endereços de elementos de vetores Vetores de ponteiros Inicializando Ponteiros Ponteiros para Ponteiros Cuidados a Serem Tomados ao se Usar Ponteiros Auto-avaliação "on-line" O C é altamente dependente dos ponteiros. Para ser um bom programador em C é fundamental que se tenha um bom domínio deles. Por isto, recomendo ao leitor um carinho especial com esta parte
Image of page 7

Info iconThis preview has intentionally blurred sections. Sign up to view the full version.

View Full Document Right Arrow Icon
Image of page 8
This is the end of the preview. Sign up to access the rest of the document.

{[ snackBarMessage ]}

What students are saying

  • Left Quote Icon

    As a current student on this bumpy collegiate pathway, I stumbled upon Course Hero, where I can find study resources for nearly all my courses, get online help from tutors 24/7, and even share my old projects, papers, and lecture notes with other students.

    Student Picture

    Kiran Temple University Fox School of Business ‘17, Course Hero Intern

  • Left Quote Icon

    I cannot even describe how much Course Hero helped me this summer. It’s truly become something I can always rely on and help me. In the end, I was not only able to survive summer classes, but I was able to thrive thanks to Course Hero.

    Student Picture

    Dana University of Pennsylvania ‘17, Course Hero Intern

  • Left Quote Icon

    The ability to access any university’s resources through Course Hero proved invaluable in my case. I was behind on Tulane coursework and actually used UCLA’s materials to help me move forward and get everything together on time.

    Student Picture

    Jill Tulane University ‘16, Course Hero Intern