Complementando conforme Maia 2013 o que distingue os coletivos dos outros

Complementando conforme maia 2013 o que distingue os

This preview shows page 9 - 12 out of 32 pages.

movimentos sociais engessados, tradicionais e centralizadores (GOHN, 2017). Complementando, conforme Maia (2013), o que distingue os coletivos dos outros movimentos é o fato justamente de o coletivo não ter uma pauta permanente de ação, ele “pode agregar múltiplas demandas, e, por meio de debates periódicos, são definidas quais as pautas prioritárias, a partir da conjuntura política que é mantida em permanente análise.” (MAIA, 2013, p. 69). A horizontalidade entendida como ausência de liderança seria outra característica dos coletivos (MAIA, 2013). Ou seja, não haveria um líder que falasse em nome dos outros, a liderança seria partilhada por todos. Os jovens se identificariam com os coletivos por se distanciaram das formas que repudiam: partidárias, centralizadas, hierárquicas e burocráticas (GOHN, 2017).
Image of page 9
Tais organizações teriam forte presença nas redes sociais, fazendo com que a inovação não seja apenas no campo interno, mas no modo como o coletivo se apresenta. Inclusive, é principalmente no ambiente virtual em que são realizadas as discussões (MAIA, 2013; GOHN, 2017). Os coletivos não teriam como projeto a continuidade, apenas o prazer momentâneo atendendo aos apelos das redes sociais, seriam [...] similares a instantes mobs . Eventos combinados nas redes sociais para promover uma ação específica no tempo e no espaço, impactar um coletivo e se dissolver” (GOHN, 2017, p. 27). Nesse mesmo sentido, conforme Maia (2013) os coletivos realizam atividades espontâneas que podem ser interpretadas com uma vantagem, na medida em que permite a construção e novos debates a cada reunião (MAIA, 2013). Em suma, os coletivos seriam fluidos (aparecem e desaparecem com facilidade e a permanência neles seria circunstancial), fragmentados, sem liderança, diferenciados internamente, autônomos, com pautas múltiplas e temporárias e forte presença na internet. Quanto ao seu surgimento, Mesquita (2008) associa a emergência dos coletivos à suposta crise da representação política. Conforme o autor, os jovens perderem o respaldo de instituições como movimentos estudantis, sindicatos e partidos políticos que tinham antes da década de 1980 para expressar suas demandas e incluir a juventude. Os coletivos preencheriam esse espaço necessário para a vocalização dos anseios da juventude. Há que se questionar a dimensão inaugurada pelos coletivos ou pelos novíssimos movimentos sociais, incluindo a adoção de novas nomenclaturas sobre os fenômenos. Os movimentos sociais não são homogêneos e, portanto, não é possível afirmar que as práticas de hoje são substancialmente diferentes das do passado. Pelo contrário, orientações distintas coexistem por vezes dentro do mesmo movimento. Conforme esse argumento os velhos, os novos ou os novíssimos movimentos sociais sempre conviveram em um mesmo espaço temporal. O que muda é a seleção feita pelo pesquisador e a forma de interpretá-los. No entanto, essas não são críticas suficientes para que se abandone a discussão. A nomenclatura que se atribui a um fenômeno está ligada ao poder que o mesmo terá em relação a mudança ou manutenção do status-quo.
Image of page 10
2 METODOLOGIA A presente pesquisa tem como objeto de estudo os coletivos. Por se tratarem de
Image of page 11
Image of page 12

You've reached the end of your free preview.

Want to read all 32 pages?

  • Spring '18
  • GB
  • Estados Unidos, São Paulo, Feminismo, Pagina, Movimento social

  • Left Quote Icon

    Student Picture

  • Left Quote Icon

    Student Picture

  • Left Quote Icon

    Student Picture