{[ promptMessage ]}

Bookmark it

{[ promptMessage ]}

LEGISLAÇÃO DO MUNICIPIO DE BELO HORIZONTE PARA O MEIO AMBIENTE - DECRETOS MUNICIPAIS

53 cabe à superintendência de limpeza urbana a

Info iconThis preview shows pages 58–61. Sign up to view the full content.

View Full Document Right Arrow Icon
somente à Secretaria Municipal de Meio Ambiente a análise desses projetos. 5.3 - Cabe à Superintendência de Limpeza Urbana a análise do projeto arquitetônico dos abrigos externos de armazenamento de resíduos sólidos para fins de obtenção de Alvará de Construção e Certidão de Baixa e Habite-se, a inspeção periódica dos abrigos, a fiscalização do acondicionamento e armazenamento externos dos resíduos de serviços de saúde, o licenciamento dos veículos de coleta, a aprovação do plano de coleta e transporte externos e do plano de reciclagem de resíduos do Grupo D. 5.4 - Quando os Estabelecimentos de Serviços de Saúde forem geradores de resíduos do Grupo C - rejeito radioativo, caberá à Comissão Nacional de Energia Nuclear a análise e a aprovação do PGRSS, no que se refere a esse grupo de resíduos. 6. DA APROVAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE 6.1 - A administração dos estabelecimentos de serviços de saúde deve requerer à Secretaria Municipal de Meio Ambiente a concessão da aprovação do Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde, apresentando os pareceres, devidamente instruídos, da SMSA, da SLU e da CNEN quando for gerado rejeito radioativo. 6.2 - A administração dos Estabelecimentos de Serviços de Saúde deverá apresentar o PGRSS: a) à Secretaria Municipal de Saúde que, após aprovação do que lhe compete, fornecerá parecer, devidamente instruído, à administração do estabelecimento de serviços de saúde; b) à Superintendência de Limpeza Urbana que, após análise e aprovação dos itens que lhe competem, fornecerá parecer, devidamente instruído, à administração do estabelecimento de serviços de saúde; c) à Comissão Nacional de Energia Nuclear, devendo o parecer da CNEN ser encaminhado pela administração do estabelecimento de serviços de saúde à Secretaria Municipal de Meio Ambiente, para ser anexado à documentação para fins de aprovação do PGRSS. 6.3 - Após aprovação do PGRSS, o Estabelecimento de Serviço de Saúde terá que implantá-lo de acordo com os prazos fixados no cronograma aprovado pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente. 6.4 - Qualquer alteração, a qualquer tempo, do PGRSS deverá ser comunicada aos órgãos competentes, que podem optar entre ratificar ou submeter o PGRSS original a uma nova análise. 7. DA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE 7.1 - Para estabelecimentos a implantar, o PGRSS deverá ser apresentado juntamente com a documentação exigida para a obtenção da licença ambiental de implantação do empreendimento. 7.2 - Os estabelecimentos em funcionamento devem apresentar, à Secretaria Municipal de Meio Ambiente, o PGRSS a partir da data da publicação deste Decreto. 58
Background image of page 58

Info iconThis preview has intentionally blurred sections. Sign up to view the full version.

View Full Document Right Arrow Icon
59
Background image of page 59
ANEXO II A QUE SE REFERE O DECRETO N.º 10.296 DE 2000 REGULAMENTO TÉCNICO PARA APRESENTAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE 1 - INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O ESTABELECIMENTO PRESTADOR DE SERVIÇOS DE SAÚDE.
Background image of page 60

Info iconThis preview has intentionally blurred sections. Sign up to view the full version.

View Full Document Right Arrow Icon
Image of page 61
This is the end of the preview. Sign up to access the rest of the document.

{[ snackBarMessage ]}