{[ promptMessage ]}

Bookmark it

{[ promptMessage ]}

Se você criar algumas funções que queira

Info iconThis preview shows pages 17–19. Sign up to view the full content.

View Full Document Right Arrow Icon
Se você criar algumas funções que queira aproveitar em vários programas futuros, ou módulos de programas, você pode escrever arquivos-cabeçalhos e incluí-los também. Suponha que a função 'int EPar(int a)', do segundo exemplo da página c720.html seja importante em vários programas, e desejemos declará-la num módulo separado. No arquivo de cabeçalho chamado por exemplo de 'funcao.h' teremos a seguinte declaração: int EPar(int a); O código da função será escrito num arquivo a parte. Vamos chamá-lo de 'funcao.c'. Neste arquivo teremos a definição da função: int EPar (int a) { if (a%2) /* Verifica se a e divisivel por dois */ return 0; else return 1; } Por fim, no arquivo do programa principal teremos o programa principal. Vamos chamar este arquivo aqui de 'princip.c'. #include <stdio.h> __________________________________________________________________________________ _ CURSO DE C DO CPDEE DA UFMG 51
Background image of page 17

Info iconThis preview has intentionally blurred sections. Sign up to view the full version.

View Full Document Right Arrow Icon
#include "funcao.h" void main () { int num; printf ("Entre com numero: "); scanf ("%d",&num); if (EPar(num)) printf ("\n\nO numero e par.\n"); else printf ("\n\nO numero e impar.\n"); } Este programa poderia ser compilado usando a seguinte linha de comando para o gcc: gcc princip.c funcao.c -o saida onde 'saida' seria o arquivo executável gerado. Para gerar o executável deste programa no Rhide você deve criar um projeto, com a opção Project -> Open. Digitar um nome para o seu projeto (por exemplo saida). Ao apertar OK, o Rhide criará uma janela de projeto, onde você deverá adicionar os arquivos que serão usados para compor o seu executável. Para isto, você deve apertar a tecla <Insert> e em seguida escolher os arquivos princip.c e funcao.c . Daí, é só mandar compilar o projeto, com a opção Compile -> Make. Se não der erro, pode executar! Escopo de Variáveis Variáveis locais Parâmetros formais Variáveis globais Já foi dada uma introdução ao escopo de variáveis. O escopo é o conjunto de regras que determinam o uso e a validade de variáveis nas diversas partes do programa. Variáveis locais O primeiro tipo de variáveis que veremos são as variáveis locais. Estas são aquelas que só têm validade dentro do bloco no qual são declaradas. Sim. Podemos declarar variáveis dentro de qualquer bloco. Só para lembrar: um bloco começa quando abrimos uma chave e termina quando fechamos a chave. Até agora só tínhamos visto variáveis locais para funções completas. Mas um comando for pode ter variáveis locais e que não serão conhecidas fora dali. A declaração de variáveis locais é a primeira coisa que devemos colocar num bloco. A característica que torna as variáveis locais tão importantes é justamente a de serem exclusivas do bloco. Podemos ter quantos blocos quisermos com uma variável local chamada x , por exemplo, e elas não apresentarão conflito entre elas. A palavra reservada do C
Background image of page 18
Image of page 19
This is the end of the preview. Sign up to access the rest of the document.

{[ snackBarMessage ]}

Page17 / 23

Se você criar algumas funções que queira aproveitar em

This preview shows document pages 17 - 19. Sign up to view the full document.

View Full Document Right Arrow Icon bookmark
Ask a homework question - tutors are online